“Karmayoga Numa Casca de Noz”

No longo, sinuoso e árduo percurso do autoconhecimento a dada altura as pessoas deparam-se com a palavra “Karmayoga”, uma palavra sânscrita cujo significado agora mesmo iremos ver.
A palavra “karma”[1] deriva da raiz verbal “kṛ”, que significa fazer, realizar, à qual é adicionado o sufixo “manin” que vem no sentido de “ação” ou “objeto da ação”; assim sendo, a palavra “karma” poderá significar a ação propriamente dita, ou então o objeto da ação. Na frase – “você lê este artigo”, karma poderá ser a ação “ler” ou poderá ser o “artigo”. A palavra “Yoga”, mundialmente conhecida e tão apropriada por tantos, vem da raiz verbal “yuj”, que significa unir, conectar, juntar, focar, concentrar, e à qual é adicionado o sufixo “ghañ”, que geralmente incute o sentido da mera ação. Assim sendo, a palavra Yoga poderá significar união, concentração, foco, etc. e, secundariamente, também significa o meio, a disciplina ou o método para chegar à referida conexão ou união. Este uso secundário do significado das palavras é muito comum no nosso dia a dia. Darei um exemplo no qual o filho se dirige à mãe dizendo – “Mãe, vou para o futebol”. O menino não vai para o futebol, pois o futebol é o desporto em si. O menino vai para o treino de futebol, porém usa somente a palavra “futebol”, estando implícito que vai para o treino. Tal e qual como no exemplo mencionado, também a palavra “yoga” é usada com o seu significado secundário ou implícito. Então, neste caso Yoga significa o método, a disciplina, o meio.


Qual será o significado de karma na palavra “Karmayoga”?
Karma aqui significa ação. Então, o significado de Karmayoga é a disciplina da ação – a ação é usada como uma disciplina, como um meio para obter um determinado fim. “Professor, mas qualquer ação é para obter um determinado resultado ou fim, poderia ser mais claro?” Sim, claro. Sendo óbvio que toda a ação é feita com um determinado objetivo, caso contrário ninguém agiria, a palavra “Yoga” traz uma dimensão diferente e mais profunda à ação. O objetivo de ter uma disciplina da ação é desenvolver uma atitude perante a ação. Esta é uma atitude muito peculiar que, podemos dizer, marca o início da vida espiritual – é a atitude de querer crescer emocionalmente, de querer ser uma pessoa madura e conectada com o Todo, com o Absoluto, precisamente através da ação.
Qual a ligação entre a ação, a atitude e o Todo? Śrīkṛṣṇa na Bhagavadgītā explica de forma brilhante esta relação –
यतः प्रवृत्तिर्भूतानां येन सर्वमिदं ततम् ।स्वकर्मणा तमभ्यर्च्य सिद्धिं विन्दति मानवः ।। १८.४६ ।।yataḥ pravṛttirbhūtānāṁ yena sarvamidaṁ tatam |svakarmaṇā tamabhyarcya siddhiṁ vindati mānavaḥ || 18.46 ||
V.18.46 – Tendo reverenciado com as suas próprias ações (deveres) esse (Īśvara), de quem a criação dos seres (vem) e por quem tudo isto (o universo inteiro) é permeado, a pessoa obtém sucesso (preparação da mente, elegibilidade para o estudo de Vedānta).
Este é um verso maravilhoso no qual Īśvara, o Todo, é apresentado como a causa de tudo, sendo também imanente a tudo o que vemos. Īśvara é a grande ordem universal, composta por todas as leis, conhecidas e desconhecidas, que tornam este universo tal e qual como ele é, tornando-o possível de ser estudado. Esta grande ordem universal é composta por subordens, como por exemplo a ordem biológica, que rege todos os fenómenos biológicos e que é objeto de estudo dos biólogos. Temos a ordem fisiológica, a meteorológica, a psicológica, oftalmológica, etc. Todas as “lógicas” estudam a sua respetiva ordem. A Psicologia estuda a ordem psicológica, que rege toda a psique. A Biologia estuda a ordem biológica e assim por diante. Veja, somente porque existe uma ordem psicológica é que é possível a existência da Psicologia e de psicólogos, que se dedicam precisamente ao estudo dos fenómenos psicológicos e à forma de como estes se relacionam entre si, resultando em muitas teorias comportamentais, pelas quais é possível prever o comportamento de um ser humano numa dada situação. Se um ser humano for abusado violentamente em criança, é previsível que virá a desenvolver algum tipo de trauma. Um psicólogo encontrará a relação entre o estado psicológico atual do cliente e o abuso sofrido no passado. Esta relação só é possível porque há uma ordem psicológica. A palavra ordem remove definitivamente o conceito errado de que o universo é um mero caos que se vai manifestando ao acaso. O Universo não é um caos. O universo é regido por leis que não foram criadas por humanos, pois já ca estavam muito antes de nós, e irão certamente continuar depois de nós. Os cientistas, todos eles, estudam estas leis, equacionando-as e cristalizando-as em teorias, teoremas, fórmulas matemáticas, fórmulas químicas, físicas, etc., para que possamos todos compreender melhor como funciona este mundo, está orgânica e inteligente máquina cósmica. O computador, telefone ou tablet no qual está a ler este artigo é a prova material de todo esse estudo já equacionado, já cristalizado e posto ao serviço da humanidade. Pare um pouco e aprecie agora todo o estudo, toda a descoberta e cristalização deste conhecimento universal que está presente na forma de leis descobertas pela humanidade. A humanidade está a cada momento a descobrir as maravilhas deste Ser Universal chamado Īśvara, o Todo ou o Absoluto.

Momento a momento Īśvara revela-se
Sendo Īśvara o conjunto de todas as leis que formam todas as subordens pertencentes a uma Grande Ordem Universal, Īśvara é todo o conhecimento, sendo a fonte, a origem de todo o conhecimento. Não só Īśvara é todo o conhecimento, Īśvara é também todo o material de que este mundo é feito. Este Universo físico que experienciamos é o corpo físico de Īśvara. Então, tudo o que está a acontecer neste momento, em qualquer parte do Universo, é Īśvara a revelar-se, é Īśvara a expressar-se; é a dança Śiva, quando Śiva é chamado de Naṭarāja, o Rei dos dançarinos, sendo o Cosmos a sua dança. Quando apreciamos que tudo é Īśvara, que todas as situações de vida que presenciamos, desde a simples ida ao supermercado, ao apreciar romântico de um bonito pôr-do-sol, são Īśvara, a nossa atitude perante o Universo muda, pois existe a visão de que o Universo é o corpo desse Ser Absoluto.

Īśvara é a Harmonia Universal
Ao analisarmos o Universo reparamos que ele tende para um equilíbrio, que ele está num estado de equilíbrio dinâmico, existe uma força para a harmonia. É assim externamente e internamente também. Cada um de nós procura trazer mais harmonia para a sua vida, obviamente de acordo com o conceito individual de harmonia que certamente cada um tem. Este senso ou estado de harmonia está intimamente ligado com o revelar-se de Īśvara. Quando eu sinto que estou no lugar certo à hora certa na presença das pessoas certas, eu sinto harmonia. Eu estou em harmonia quando faço aquilo que é esperado de mim. A cada nova situação de vida, algo é esperado de mim, que ou o ator, aquele que deverá cumprir o seu papel respeitando o guião. Uma mãe fica em harmonia quando desenrola o seu papel de mãe. Um pai também. O filho também. Cada papel que surge na vida a dada situação – e temos muitos papeis – invoca uma dada atitude e um dado comportamento, que deverá estar alinhado pela Ordem Universal chamada de Dharma. Quando o alinhamento entre o que é esperado de mim e o que eu acabo por fazer se dá, então há harmonia, então eu estou alinhado com o Dharma. Muitas vezes aquilo que a pessoa quer ou gostaria de fazer não está de acordo com o Dharma, simplesmente porque o prazer é preferível ao dever para a maior parte das pessoas. Assim é porque as pessoas desconhecem os benefícios do dever. Por dever quero dizer o referido alinhamento com o Dharma, que é essencialmente uma resposta objetiva, ética, e até moral, ao que me é pedido. Se me encontro numa situação privilegiada de poder ajudar outro ser humano, então o dever será prestar ajuda, e isso poderá implicar ter de deixar de fazer o que me dá prazer. Se um familiar ou amigo está no hospital devido a doença, o dever será ir visitar essa pessoa querida, embora apeteça disfrutar de um passeio no parque ou à beira mar. A sensibilidade para interpretar qual o dever a ser realizado a cada situação, chamado de svadharma, (o dever de cada um), e a firmeza para o fazer, é muito importante para o desenvolvimento emocional da pessoa, porque é uma forma muito segura de neutralizar as paixões e aversões, que são causadoras de sofrimento e muitos outros problemas, como por exemplo os crimes passionais violentos, que são devidos a apego ou aversão extremos, imbuídos de uma possessividade estranguladora e ódio doentio, respetivamente. Se a cada situação de vida tivermos em mente a visão de que Īśvara está a revelar-se a cada segundo, de que está a comunicar connosco a cada momento, então oferecer a Īśvara a resposta adequada na forma do próprio dever é mais fácil e também é libertador, trazendo consequentemente paz. Esta oferta do svadharma, do próprio dever, é um dos fundamentos do Karmayoga e chama-se Īśvara-arpaṇa-buddhi; buddhi aqui é atitude; arpaṇa é oferecimento; Īśvara-arpaṇa-buddhi é a atitude de oferecer as suas ações a Īśvara – aquilo que é esperado de mim, isso eu faço, e isso é o oferecimento. Portanto, Karmayoga é o reconhecimento constante de Īśvara em cada situação de vida, em cada pessoa, em cada animal ou planta, acompanhado da resposta adequada e apropriada a cada situação, tendo em vista a maturidade emocional, que se faz invariavelmente necessária para o entendimento da mensagem de Vedānta. Assim sendo, Karmayoga implica que haja uma mudança de foco. O foco deverá passar do resultado da ação para a ação propriamente dita, porque a ação depende de mim, o resultado não. Eu tenho a liberdade de agir, de não agir ou de agir diferentemente daquilo que Īśvara espera de mim, porém, o resultado dessa ação não depende de mim. Eu posso decidir ir de avião para a índia, ou de carro, ou até de trotinete, pois a decisão é tomada por mim. Quanto ao resultado já não tenho escolha. Poderei conseguir ou não conseguir chegar à Índia. O resultado desejado é chegar à Índia, mas se chego ou não, não depende somente de mim. É neste ponto do entendimento que é necessário falar de outra atitude fundamental do karmayoga chamada de Īśvara-prasāda-buddhi; buddhi aqui é atitude; prasāda é aquilo que recebemos de volta dado por Īśvara, no final de uma pūjā, um ritual de oferecimento. Prasāda é também tudo o que vem de Īśvara, e como tudo vem de Īśvara, porque tudo é Īśvara, tudo é prasāda. Assim sendo, seja qual for o resultado de uma ação, este deverá ser visto como prasāda. Esta atitude traz uma certa tranquilidade para a pessoa relativamente ao resultado da ação, porque a pessoa progressivamente vai treinando a aceitação, e com isso diminuindo o poder destrutivo e perturbador das paixões e aversões.Geralmente, quando agimos apenas focamos o resultado, pois somos treinados assim, e isso leva muitos a cometerem crimes, a não olhar a meios para a obtenção dos fins que tanto e obcessivamente desejam, o que é oposto e prejudicial a uma vida de crescimento emocional e espiritual. Quando a ação é feita não respeitando o dever e somente seguindo o prazer, seguindo a paixão ou a aversão, estamos a fortalecer as nossas paixões e aversões, e a perder a capacidade de as gerenciar, de ter uma palavra a dizer sobre elas. Porém, quando as ações são feitas tendo em vista o dever, portanto respeitando o Dharma, a Ordem Universal, aprendemos progressivamente a gerenciar as paixões e as aversões, e com isso fortalecemo-nos emocionalmente e nutrimos a nossa personalidade espiritual. O mundo passa a ser o altar sagrado chamado Vida, onde ofereço as minhas ações como meio de crescimento. A sensibilidade para apreciar Īśvara aumenta, a sensibilidade para interpretar o que é esperado de mim aumenta, a capacidade de agir inteligentemente e objetivamente respeitando a Ordem Universal aumenta, e com isso o coração vai ficando mais e mais apaziguado, pois a pessoa deixa de ser ver como uma mera consumidora, passando a ver-se como uma contribuidora e passando, portanto, a apreciar a sua grandeza interna, que é a dádiva e o privilégio de poder contribuir para a Harmonia Universal. É neste coração grande que a mensagem de Vedānta encontra o seu lar, e assim que lá chega, lá sempre permanece.


Paulo Abreu Vieira

[1]4.146- सर्वधातुभ्यो मनिन् । उणादिसुत्र.

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado.