A Importância de Japa no Ganho de Maturidade Emocional

No decorrer do estudo de Vedānta, ou até do Yoga, geralmente os alunos deparam-se com uma prática de meditação muito específica chamada “mantra-japa” ou simplesmente “japa”. Japa vem da raiz verbal “jap”, que significa dizer. Mantra-japa significa dizer um mantra. Este “dizer” poderá ser alto, murmurado ou então mental. Contudo, geralmente está implícito que esse “dizer” seja um dizer repetido. Ou seja, japa significa repetir diariamente um determinado mantra por um determinado período de tempo ou, então, repetir um determinado número de vezes estipulado pelo professor ou pelo próprio praticante.


Japa, para além de ser uma prática de meditação específica, também é um compromisso que a pessoa assume perante ela mesma e perante o professor, com vista a desenvolver certas características mentais importantes para o estudo de Vedānta e também para a vida.


Porque é necessário ou importante fazer japa, repetir um mantra? Por várias razões. Uma delas e muito importante é que sem esta prática específica é muito difícil gerir os pensamentos, é muito difícil ter uma palavra a dizer sobre o fluxo mental. Como? Vamos ver. Quando o praticante repete um mantra, por exemplo “oṁ īśāya namaḥ”, que significa literalmente “saudação para īśa” – (īśa é um dos nomes de Śiva e representa o Absoluto) – ele ocupará a sua mente somente com esse mantra, que será o seu pensamento deliberadamente repetido. No processo de repetição do mantra, e no processo de da aquisição da mestria da prática de japa, a pessoa nota, primeiramente, que a mente se distrai com muita frequência, e, depois, aprende algo fundamental sobre a mente – a tendência natural da mente é a distração. Depois, se for um praticante atento, notará que a mente geralmente pensa os mesmos pensamentos todos os dias, portanto notará que a mente pensa pensamentos recorrentes. Dentro do contexto da prática de japa, todos os pensamentos, recorrentes ou não, que não sejam o mantra, são considerados distrações e, portanto, não são para lhes darmos corda. Ou seja, se a pessoa dá conta de que se distraiu a pensar nas compras para o jantar, ou no companheiro, ou no filho, ela deverá parar de entreter esses pensamentos que saem fora do âmbito da meditação e voltar à repetição do mantra. Este processo de “voltar ao mantra” deve ser feito com muita compaixão e paciência e a pessoa não deve criticar-se negativamente por sentir dificuldade em manter a mente focada na repetição do mantra. A realidade é que nos primeiros tempos da prática, japa não é fácil e pode até ser frustrante, contudo, os resultados desta prática valem bem o esforço!


Assim sendo, é muito importante a prática de japa porque a pessoa fica munida da capacidade de manter a mente focada em qualquer coisa e em qualquer altura. Esta capacidade de foco unidirecional é chamada de ekāgratā e é muito importante para o estudo de Vedānta, no qual a atenção auditiva do aluno e a disponibilidade da mente em permanecer com essa atenção é tremendamente precisa. Se esta atenção não estiver presente, haverão muitas distrações durante a aula sem que a pessoa as note, o que se traduzirá numa perda de muito conteúdo importante para o aluno. Assim é porque as aulas de Vedānta seguem uma linha de comunicação construtiva e progressiva onde cada ideia comunicada é substanciada pela ideia anterior e assim sucessivamente. A aula é como um caminho que o professor faz de mão dada com o aluno, mostrando-lhe as várias nuances da vida, da humanidade e da realidade. Se a dada altura o aluno se distrai sem se aperceber, é como se ele soltasse involuntariamente a mão do professor e fosse noutra direção, perdendo de vista todas as nuances importantes para as quais o professor aponta. Com isso ele perde o fio condutor da aula e a mensagem falha o alvo porque não encontra um recipiente válido onde ficar, e isso não é desejável, obviamente. Por esta razão japa é importante. Agora, se estendermos o que se passa com um aluno distraído durante a aula à vida desse aluno, facilmente entenderemos que ele terá muitas distrações. Estará a falar com alguém, mas a pensar noutra coisa, não ouvindo direito o que lhe é dito, o que causa inúmeros problemas comunicacionais. Vejam aqui e agora que japa ajuda-nos a comunicar melhor. Ajuda-nos a ouvir, ajuda-nos a estar presente na audição.


Outra importância do japa é a conexão com a deidade invocada pelo mantra. Essa conexão é importante porque a deidade ajudará a pessoa, especialmente nos momentos difíceis. As deidades são nutridas pelas ofertas e pelos mantras, e em troca nutrem-nos. Por outras palavras, a repetição de um mantra trás puṇyam e esse puṇyam ajuda a pessoa a viver melhor. Isto também é desejável e importante.


Tenho constatado através de relatos de vários alunos iniciados por mim em mantra japa, e, claro, também pela minha própria prática pessoal de mantra, que a capacidade para ultrapassar problemas emocionais aumenta consideravelmente. Isso dá-se não só pela graça, pelo puṇyam que a pessoa ganha para si pelo seu próprio mérito, como também pela graça que é passada com a iniciação do mantra. Para além disso, algo também muito importante acontece num praticante experiente de japa – o nascimento de uma mente meditativa, o nascimento de uma mente sāttvika. Numa mente assim todos os estados emocionais são acolhidos, pois quem tem uma mente assim aprendeu muito bem a observar a sua própria mente e sabe muito bem que a mente é um mero instrumento ao dispor de quem o uso, aliás, como qualquer outro instrumento. Esta mente contemplativa é um ganho muito desejável para qualquer pessoa, mas ainda mais desejável para um aluno de Vedānta, e representa que o instrumento chamado mente está bem “calibrado” ou “afinado”. Se a prática de japa for bem executada, com calma, perseverança, paciência, com a correta pronúncia e entoação, com a rapidez adequada, os resultados são visíveis em poucas semanas.

Boa prática!

Paulo Abreu Vieira

Setembro 2021

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado.