Testemunho dos Alunos – Fabrícia Eisted

Namaste!

Eu sou a Fabrícia, brasileira, mãe, esposa, residente na Dinamarca e uma das alunas do Centro Arshavidya.

Descrevo aqui a minha jornada no caminho de Vedānta, e espero que possa inspirar outras pessoas que buscam o autoconhecimento através de Vedānta.

Estudar com o Professor Paulo tem sido para mim uma bênção. Desde o momento que desejei aprofundar no estudo e o Professor Paulo me acolheu, assim comecei o estudo da Bhagavadgītā em Abril de 2020.

O Professor Paulo é muito atencioso com os alunos: um dos privilégios de estudar com ele. É sempre muito cuidadoso ao responder as perguntas pessoais, assim como as perguntas do grupo de alunos sobre diversos temas e assuntos relacionados às aulas ou não.

Em Maio de 2020 iniciei o estudo de canto com a colaboradora do Centro Inês Gama, em Setembro de 2020 iniciei o estudo de Sânscrito junto com o estudo da Kathopaniṣad. Em Março de 2021 fiz o curso de pūjā com o Professor Paulo, e sempre que posso faço a pūjā  mais elaborada com a convicção de que ajuda à mim, minha família, e a sociedade.

Os benefícios obtidos desde o início do estudo de Vedanta são inúmeros, mas para dar alguns exemplos: tenho vivido uma vida mais harmônica com a minha família, no meu trabalho e principalmente comigo mesma, me respeitando, respeitando meus limites e expressando-os.

Também estudo Āyurveda e Psicologia do Yoga e me deslumbro ao perceber como os ensinamentos de Vedānta, Āyurveda e Psicologia do Yoga se complementam.

Quero terminar com o conselho para melhor progredir no estudo de Vedānta que muito sabiamente foi partilhado conosco pelo Swami Sadatmananda em uma Palestra de Gurupurnina em Julho de 2021:

Tente ver a relevância de Vedānta na nossa vida. Vedānta não deve ser estudado com uma abordagem acadêmica. Não é uma questão de ser estudado para um exame ou conseguir um diploma. É uma questão de descobrir a nossa verdadeira natureza, uma questão de amadurecer no processo, ficarmos mais aceitáveis para nós mesmos aos nossos olhos e tornar o mundo mais aceitável vendo a ordem por detrás.

Por outras palavras, tente ver a relevância do ensinamento na sua vida. Não faça do Vedānta uma teoria para ser meramente lembrada ou entendida.

Não tenha compartimentos entre a vida e Vedānta. Deixa que o Vedānta se reflita na sua vida. Isto é uma coisa.

A segunda coisa é que possa haver dharma nas nossas vidas, valores nas nossas vidas.

Muitas vezes as pessoas separam o Vedānta e o dharma. Pensam que Vedānta é uma coisa e os valores morais são outra. Então, se você estiver a estudar Vedānta, você não precisa de se preocupar com os valores morais. Isto está errado. Sem seguir os valores na vida, você não pode ter uma assimilação do Vedānta. Portanto, sigam os valores: ahimsa, não magoar as pessoas, honestidade, não enganar ninguém de forma alguma e ser um contribuidor o máximo que puder. Portanto, desta forma, se seguirem o dharma, seguirem os valores, então a nossa assimilação de Vedānta será melhor. De forma que progrediremos mais na nossa busca por moksha.

Portanto, o Vedānta não é meramente para ser estudado, Vedānta é para ser vivido, no sentido em que o refletimos nas nossas vidas. Não é teoria e prática. Eu não disse ‘pratica Vedānta’, eu não usei essa palavra. Eu disse: deixe o Vedānta ser refletido nas nossas vidas…

Significa que a visão de Vedānta é assimilada na vida de tal maneira que a vida e Vedānta não permanecem como dois compartimentos, eles se tornam uma entidade integrada.

Então é isto que podemos fazer nas nossas vidas para ter um progresso melhor no Vedānta, além de estudar regularmente”.

Bons estudos!

Hariḥ oṃ

Alberstslund, 10 de Janeiro de 2022

Fabrícia Eisted

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado.