Escrita e(m) partilha

O tema desta semana é uma fotografia:

ALVOR

A claridade primeira,
contemplada em inocência,
com o horizonte espraiando o olhar e a mente.
Suavemente caminhando,
tendo consciência da envolvência, percebendo a nossa integração na verdade!
As ferramentas que nos chegam com o conhecimento permitem a clara serenidade e a gestão das emoções.
E o que é essa serenidade?
Simplesmente a leveza do saber ser em plena consciência.

Aluna: Carla Santos

LUMINOSIDADE CRESCENTE

A ensolarada luz vai avançando
Vai trilhando caminho
Sobrepondo-se a esta cinzenta ignorância
Que ainda existe
E persiste

Esta brilhante luminosidade
Avança a passos lentos
Mas canta aos quatro ventos

Que o tempo é o seu fiel amigo
Que nada a fará parar
Movida pela força das preces
Pelo desejo vincado
De mergulhar fundo
No oceano do conhecimento

Escutamos esta canção que nos envolve
Graciosa e confiante
E soltamos um suspiro sorridente
De gratidão eterna!

Aluna: Susana Santos

RA O SOL

RA Luz da vida que faz a distribuição, das energias cósmicas, que me põe em ascensão.
E o prana está a percorrer pelo Sahasrara divinizando o meu Ser.

RA com os seus raios dourados penetra em meu chakra Ajna, ativando a minha intuição e me deixando conectada com todos os seres da criação.

RA que bom senti-lo assim no chakra Vishuddha, melhorando a minha fala e toda a minha comunicação, possibilitando o discernimento em toda minha forma de expressão.

RA tu és puro amor no Anahata.
Eu sinto a expansão no pulsar do meu cardio, aumentando o meu vigor e a força de atração.
Que linda relação, recebendo amor e fazendo doação!

RA tu também és destruidor!
No meu chakra Manipura
Pois adentra o meu plexo e faz uma seleção, limpando as emoções negativas que prejudica a minha vibração.

RA que calor bom de senti
Quando estás no svadhisthana, celebro a força notável do viver
E da sensualidade feminina que está a revelar-me.
E na criatividade eu estou a navegar, energia kundalini a se movimentar.

RA tu traz firmeza para o meu chão, no meu plexo Muladhara atua com um imenso clarão.
Eu sigo com fé e segurança os caminhos que estou a percorrer, desenvolvendo boas atitudes e amadurecendo o meu Ser.

Aluna: Aildes Andersen

DESPERTAR

Quis ter nascido
já feita flor,
banhada pela luz do sol
em pleno verão ameno.

Sem chuvas nem trovoadas,
geadas das madrugadas,
sem frio de noites densas.
Nascer adulta e sábia,
sem nada que perturbasse.
Mas nasci feita semente,
com tanto e tanto pela frente… …

Desbravei, a custo, a terra e com medo, lá consegui espreitar e vi, pela primeira vez, o sol raiar.

A chuva matou-me
a sede,
o frio tornou-me forte
e o vento flexível

Venci batalhas que travei com ervas que me sufocavam.

Fiquei adulta
e dei sementes
que se tornaram flores

Hoje,
humildemente estou grata por ser todo o processo e não só o final.

Por ter sentido
a timidez do amanhecer.
O fulgor da força do meio-dia
e viver a ternura do meu anoitecer.

Estou grata por neste poema, que é a vida,
ser cada e todos os versos por escrever e que já existem.

Aluna: Adelina Carvalho

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado.