Escrita e(m) partilha

O tema desta semana é a seguinte palavra:


Confi(n)ar

Desafiando o corpo físico
à limitação de um espaço,
a mente questiona o porquê.
Mais…
Questiona quanto tempo
se adequa confinar o corpo…
Há percepções que se misturam,
há conceitos que se toldam,
há respostas que tardam…
A confiança num futuro próximo
tende a desvanecer
quando não há limite temporal para as limitações…
Transcender o espaço físico
com a liberdade da mente,
atravessando fronteiras…
Confiando no provir,
obtendo a paz em mim!

Aluna: Carla Santos

Afortunado ensinamento

Em momentos afortunados
Ordenados
Por esta ordem cósmica encontrei-te
Sem saber que te procurava

Confiaste em mim
Para te ouvir
para te questionar
Para te contemplar

Abençoaste-me
Com as tuas palavras sábias

Que caíram em mim
Como uma chuva miudinha

Gota após gota
Um mar emergiu de mim

Espontâneas ondas de dedicação se intensificaram

Nesta maré Iluminada de sabedoria
Sei que vieste para ficar

Num gesto de gratidão
Que mais posso eu fazer senão confiar?

Aluna: Susana Santos

Estavas lá

Estavas lá…
no instante em que
me tornei vida.
Na primeira inspiração,
no primeiro choro.

Estavas lá…
No tempo dos passos cambaleantes quando,
sem que soubesse,
me vigiavas e protegias.

Quando comecei a falar o teu nome,
sem saber, ainda, quem eras…
estavas lá.

Estavas lá…
quando te repudiei.
Quando, insolente e centrada em mim,
te neguei.
Quando pensei ser sábia
e nem sequer me conhecia.

Estavas lá…
quando me deixaste cair
e levantar vezes sem conta,
chorar lágrimas de raiva e desespero, sabendo que,
fosse qual fosse o caminho ele seria o certo.

Estavas lá…
nas noites de escuridão,
pacientemente à espera
do meu despertar.

E estavas lá…
quando despertei e te vi e, pouco a pouco,
quase a medo,
te fui conhecendo.

Estavas lá…
quando, feliz, me senti parte de ti
e quando, em êxtase, descobri que, afinal,
eras tu que estavas em mim e nesse momento compreendi o “ser concebida sem pecado”.

Estavas sempre lá…
em cada momento,
esse eterno Presente em que sempre estás,
e eu, confiante, sigo-te para onde quer que vás.

Aluna: Adelina Carvalho

O MESTRE

É a sincronia do espírito que está a estabelecer
a confiança que eu estou a ti a estender.

E eu me refiro a uma direção
O caminho do Sol dentro da milenar tradição.

E como parte do Despertar,
a aparição de um Mestre
para me orientar.

Eu acredito que a jornada
não necessita ser em solidão,
se na sincronia da Egrégora ocorre uma harmoniosa fusão.

Quando eu o escutei a primeira vez,
num Satsang a lecionar,
senti as suas palavras a minha alma tocar.

Neste momento eu compreendi,
que és o Mestre que eu estava esperando surgi.

Tens discernimento e coerência ao se pronunciar,
estabelecendo a confiança em quem está a escutar.

Benevolência e amor,
esses requisitos tens
tu querido professor.

E como o Eremita de lanterna nas mãos, estás tu Mestre de prontidão.

Energia e vigor
exala de ti professor!

Saiba que tens a minha admiração, o meu respeito e a minha gratidão.

Aluna: Aildes Andersen

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado.