• Astrologia 2024

    ज्योतिष – JYOTIṢA

    Principais Indicações Astrológicas – Ano 2024

    Apesar do ano astrológico apenas iniciar quando o Sol dá entrada no rāśi (signo) de
    Mesha (Carneiro / Áries) no mês de Abril, é comum, no ocidente, considerar o início do
    ano civil como um momento importante de reflexão e de previsão acerca das
    promessas mais importantes para o ano que se inicia.
    Desta forma, a minha proposta neste texto, é colocar as algumas orientações
    astrológicas para este ano de 2024, para que cada um possa refletir nas mesmas,
    tentando integrar todas essas energias na sua vida, quer externa como interna, de
    forma a navegar nas ondas do samsara de forma mais segura, firme e consciente,
    tomando as melhores decisões a todo o momento, sempre que possível.

    Se o ano de 2023 foi um ano com uma energia forte e dinâmica, com mudanças
    rápidas e abruptas, com vários acontecimentos inesperados e necessidade de
    adaptação às novas situações de vida, o ano de 2024 vem trazer uma maior
    estabilidade e necessidade de estruturar e manter em segurança tudo o que foi
    iniciado e criado em 2023. Com Śani em Aquário e Guru a entrar em Touro em Abril,
    teremos uma prevalência de signos fixos que nos remetem para estabilidade,
    manutenção e segurança. É tempo de dar forma e sentido a tudo o que surgiu de novo
    nas nossas vidas, com afinco e determinação.

    Śani (Saturno) em Kumbha (Aquário)

    A transitar este signo desde 17 de janeiro de 2023, Śani aqui ficará até 29 de março de 2025.

    Neste signo, para além de ser um dos signos regidos por Śani, é o signo onde
    detém mais força.

    É um signo de ar e de modalidade fixa, muito associado ao coletivo, pelo que o tema
    social e mudanças na sociedade em geral, estarão em destaque durante este período.
    Antes de continuar, convido todos os que não tiveram ainda oportunidade de ler a
    newsletter na qual falo acerca de Saturno, para o fazerem, pois entender o que
    Saturno representa, é fundamental para perceber tudo aquilo pelo qual ele nos poderá
    fazer passar ao longo deste período. Saturno não é apenas o que restringe e pune, é
    também aquele com maior capacidade de nos ensinar e fazer crescer. Não da forma
    mais leve, isso é certo, mas da forma como precisamos e, claro, sempre de acordo com
    os nossos karmas.
    Importante verificar, em primeiro lugar, em que casa astrológica temos o signo de
    aquário no nosso mapa e quais os grahas (planetas) ali presentes assim como as casas
    e os planetas situados nos signos de Áries (carneiro), Leão e Escorpião, pois serão
    ativados também pelo olhar de Śani.
    Como graha maléfico, Śani atua predominantemente de forma mais severa, podendo
    levar a perdas e prejuízos, desonras, infortúnios, medos e inseguranças,
    desentendimentos, mas, atuando de forma mais benéfica, pode levar a progresso
    material, vitórias, capacidade de trabalho e foco, persistência, honras.
    Tudo irá depender do mapa de cada um, dos karmas individuais espelhados nas
    diferentes configurações presentes no mapa natal. Desta forma, os resultados
    poderão variar muito consoante a pessoa em questão.

    No entanto, e de forma mais generalizada, coloco abaixo novamente (já tinha
    colocado na newsletter de janeiro de 2023) os possíveis principais resultados para
    este trânsito de Śani em Aquário, pelas casas, tendo em conta o lagna (ascendente):

    Lagna/Ascendente

    Mesha (Carneiro / Áries)

    Śani estará na casa 11 a partir do lagna, é o regente da casa 10 na casa 11 e aspecta
    (olha), com maior força, as casas 1, 5 e 8.

    O trabalho árduo poderá vir a ser recompensado, com progresso económico e
    material. Importante não deixar para depois o que há para fazer. Não perder tempo e
    trabalhar com dedicação, para colher esses frutos.
    Poderão existir algumas dificuldades para a mãe e para os amigos. É um excelente
    momento para refletir acerca das verdadeiras amizades.

    Vrshabha (Touro)
    Śani estará na casa 10 a partir do lagna, é o regente da casa 9 na casa 10 e aspecta
    (olha), com maior força, as casas 12, 4 e 7.
    Posicionamento muito favorável para progresso na carreira, honras, prosperidade.
    Possibilidade de mudanças a nível profissional e a nível de residência.
    É tempo para investir na profissão e ter em atenção os possíveis conflitos a nível
    relacional.

    Mithuna (Gémeos)
    Śani estará na casa 9 a partir do lagna, é o regente da casa 8 na casa 9 e aspecta (olha),
    com maior força, as casas 11, 3 e 6.
    É o final da passagem de Śani pela casa 8 nos últimos 2,5 anos o que pode ter trazido
    alguns infortúnios. Não ficar preso ao passado, mas, apesar disso, é importante evitar
    o excesso de otimismo.
    Possibilidade de viagens e deslocações, tendência para problemas de saúde,
    problemas com inimigos. Conselho: dedicação a causas sociais.

    Karka (Caranguejo /Câncer)
    Śani estará na casa 8 a partir do lagna, é o regente da casa 7 na casa 8 e aspecta (olha),
    com maior força, as casas 10, 2 e 5.
    É o início do período da passagem de Śani pela casa 8, o que pode representar um
    período desafiante. Perdas, doenças e sofrimentos, mudanças no trabalho,
    incapacidade de levar projetos para a frente, são alguns dos possíveis resultados. É
    muito importante fortalecer a mente e o corpo. Poderão existir ganhos materiais
    provenientes de heranças e recursos de outros.

    Simha (Leão)
    Śani estará na casa 7 a partir do lagna, é o regente da casa 6 na casa 7 e aspecta (olha),
    com maior força, as casas 9, 1 e 4.
    O tema afetivo estará em destaque. Ter em atenção os relacionamentos (afetivos e
    parcerias profissionais), os quais poderão passar por uma fase mais delicada.
    Possibilidade de problemas de saúde. Necessidade de observar os desejos com
    cuidado e tomar decisões acertadas e objetivas.

    Kanya (Virgem)
    Śani estará na casa 6 a partir do lagna, é o regente da casa 5 na casa 6 e aspecta (olha),
    com maior força, as casas 8, 12 e 3.
    Possibilidade de prosperidade, vitória sobre os inimigos e boa saúde. Importante
    cuidar do corpo, instaurar bons hábitos, focar em pensamentos positivos, escutar os
    outros e não cair em comportamentos de procrastinação.

    Tula (Balança / Libra)
    Śani estará na casa 5 a partir do lagna, é o regente da casa 4 na casa 5 e aspecta (olha),
    com maior força, as casas 7, 11 e 2.
    O principal foco estará no tema dos filhos (poderá haver algumas questões mais
    difíceis de lidar). Possibilidade de mudanças na carreira, estabilidade financeira (evitar
    empréstimos e dívidas). Maior interesse pelos estudos.

    Vrishkha (Escorpião)
    Śani estará na casa 4 a partir do lagna, é o regente da casa 3 na casa 4 e aspecta (olha),
    com maior força, as casas 6, 10 e 1.
    Aqui, o principal objetivo de Śani é fazer com que a pessoa saia da sua zona de
    conforto. Aprender a deixar fluir e usufruir de novas experiências. Poderão existir
    mudanças/problemas familiares e relacionados com habitação, imóveis. Possibilidade
    de deslocações e mudanças de residência.

    Dhanus (Sagitário)
    Śani estará na casa 3 a partir do lagna, é o regente da casa 2 na casa 3 e aspecta (olha),
    com maior força, as casas 5, 9 e 12.
    Boas perspetivas: vitórias, felicidade, honras, aquisições, coragem capacidade de
    iniciativa, libertação de medos. Cuidado com as promessas irrealistas.
    É o fim do Sade Sati para os que possuem a Lua (Chandra) neste signo – período
    difícil de 7,5 anos no qual Śani transita pelo signo da lua, pelo signo anterior (casa 12 a
    partir da lua) e pelo signo seguinte (casa 2 a partir da lua).
    Possíveis problemas relacionados com o pai e irmãos.

    Makara (Capricórnio)
    Śani estará na casa 2 a partir do lagna, é o regente da casa 1 na casa 2 e aspecta (olha),
    com maior força, as casas 4, 8 e 11.
    Última fase do Sade Sati (últimos 2,5 anos) para os que possuem a Lua (Chandra)
    neste signo – período difícil de 7,5 anos no qual Śani transita pelo signo da lua, pelo
    signo anterior (casa 12 a partir da lua) e pelo signo seguinte (casa 2 a partir da lua).
    Infortúnios, problemas com familiares e financeiros, deslocações e mudanças de
    residência. Necessidade de ter em atenção a forma de comunicação. Bom momento
    para tratar do corpo, para dietas.

    Kumbha (Aquário)
    Śani estará na casa 1 a partir do lagna, é o regente da casa 12 na casa 1 e aspecta
    (olha), com maior força, as casas 3, 7 e 10.
    Auge do Sade Sati (últimos 2,5 anos) para os que possuem a Lua (Chandra) neste
    signo – período difícil de 7,5 anos no qual Śani transita pelo signo da lua, pelo signo
    anterior (casa 12 a partir da lua) e pelo signo seguinte (casa 2 a partir da lua).
    Possibilidade de dificuldades nos relacionamentos, problemas de saúde (necessidade
    de prestar muita atenção à saúde). Probabilidade de conquistas e honras. Possibilidade
    de deslocações e mudança de residência. Necessidade de maior conexão interna e
    capacidade de desapego dos resultados.

    Mina (Peixes)
    Śani estará na casa 12 a partir do lagna, é o regente da casa 11 na casa 12 e aspecta
    (olha), com maior força, as casas 2, 6 e 9.
    Início do Sade Sati (últimos 2,5 anos) para os que possuem a Lua (Chandra) neste
    signo – período difícil de 7,5 anos no qual Śani transita pelo signo da lua, pelo signo
    anterior (casa 12 a partir da lua) e pelo signo seguinte (casa 2 a partir da lua).
    Possibilidade de aumento dos gastos, despesas, prejuízos, tristezas, isolamento,
    mudanças de residência e deslocações. Aprender a diminuir as expectativas e fluir com
    a vida.

    Guru (Júpiter) em Vrshabha (Touro)
    Guru entrará no signo de Touro a 1 de maio de 2024 e lá ficará cerca de um ano. Guru
    sairá de Áries, signo pelo qual transita desde abril de 2023.
    Sendo Áries um signo de fogo e cardinal, ou seja, com uma energia de impulso,
    iniciativa e ígnea, podemos verificar que a passagem de Guru por este signo não
    passou despercebida, sendo que ainda esteve envolvido no eixo dos eclipses do ano
    anterior.
    Com a entrada de Guru em Touro, os aspetos materiais da vida ganharão certamente
    destaque, trazendo conquistas e ganhos e persecução de objetivos mais práticos,
    lógicos e terrenos. Segurança material, persistência e concretização serão palavras-
    chave deste ano.
    Durante o ano de 2024, Guru, em Touro, transitará pelas naksatras Krittika e Rohini.
    Em Krittika, teremos oportunidade de ser incisivos, corajosos e determinados nas
    nossas ações que irão frutificar com a passagem por Rohini, que nos remete para o
    crescimento, abundância e prosperidade, ainda que seja necessário um trabalho
    árduo.
    O signo de Touro, embora seja um signo regido por um benéfico, Vénus, é um signo
    inimigo para Guru, pelo que os seus resultados poderão ficar um pouco enfraquecidos.
    No entanto e apesar disso, tudo em que Guru toca, tem tendência para expandir e ser
    abençoado.

    A casa no nosso mapa por onde transitará Guru, em Touro, terá tendência a ser
    expandida e beneficiada. Se durante este trânsito Guru tocar em grahas maléficos,
    tenderá a suavizá-los e se tocar em grahas benéficos, trará boa fortuna, mas
    possivelmente alguma indulgência.
    Guru aspecta com a máxima força as casas 7, 5 e 9 a partir da sua posição, logo, em
    Touro, poderá ter um impacto maior nas casas onde temos os signos de Escorpião,
    Virgem e Capricórnio.
    O impacto mais ou menos positivo dependerá muito da força do Guru no nosso mapa
    e das configurações restantes. Mais uma vez, aconselho a leitura da newsletter que
    foca o tema de Guru, para melhor entendimento.
    Resultados tendencialmente mais positivos serão esperados para quem possui o lagna
    (ascendente) nos signos de Áries, Touro, Câncer, Leão, Virgem, Escorpião, Aquário e
    Peixes.

    Eclipses 2024

    Nota: Para melhor entendimento do fenómeno dos eclipses, aconselho a leitura das
    newsletters referentes aos nodos lunares: Rāhu e Ketu.

    Os nodos lunares andam sempre em sentido retrógrado e demoram cerca de 19 meses
    em cada signo. Rāhu e Ketu, os Chāyā grahas (planetas sombra) correspondem aos
    pontos do eclipse.
    Desde 2022 que o eixo no qual os eclipses têm ocorrido corresponde ao eixo. Áries –
    Libra e assim continuou durante todo o ano de 2023.

    Novo eixo dos eclipses
    A passagem dos nodos, Rahu e Ketu, irá ocorrer, entre 30/10/23 e 18/05/25, no eixo
    Virgem/Peixes. Rahu transitará por Peixes e Ketu transitará por Virgem.
    Os eclipses afectarão em particular quem tiver grahas no eixo Virgem/Peixes ou
    quando esse eixo corresponde a áreas importantes do mapa. De qualquer forma, as
    casas onde ocorrem os eclipses terão os seus temas afectados por estas energias.

    Verifique em que casas astrológicas tem estes dois signos, pois os assuntos significados
    por essas casas, serão alvo de mudanças e muita actividade/ instabilidade/mudança.
    Quanto mais visível o eclipse na região onde nos encontramos, maior os seus efeitos
    Os efeitos dos eclipses podem ocorrer até cerca de seis meses após a sua ocorrência,
    sendo responsáveis, muitas vezes, por mudanças abruptas na vida da pessoa,
    correspondendo a finais ou inícios de novos ciclos. São períodos que fogem por
    completo ao nosso controlo e quando decisões são tomadas, mudam, por completo, a
    nossa vida.
    Existe neste trânsito, um elevado potencial espiritual. Que possamos aproveitá-lo para
    crescer, através de do estudo e da devoção.

    Os eclipses ocorrerão nas seguintes datas:
    24 Março: eclipse lunar (10º virgem)
    8 Abril: eclipse solar (25ºpeixes)
    18 Setembro: eclipse lunar (1º peixes)
    2 Outubro: eclipse solar (15º virgem)

    No endereço
    https://www.timeanddate.com poderão consultar todas as zonas nas quais os eclipses serão
    visíveis, podendo, por esse motivo, serem mais afectadas pelos seus efeitos.

    Recomendação para os eclipses
    O mais relevante será mesmo a prática de japa com o mantra pessoal. 
    É igualmente recomendado escutar o “Hanuman Chalisa”.

    Algumas orientações dos śāstras relacionadas aos eclipses são:

    1. Numa faixa de três dias antes e após o eclipse, nenhuma atividade material
      auspiciosa deve ser iniciada.
    2. Mulheres grávidas jamais devem olhar um grahana (eclipse) e nem sequer sair de
      casa durante tal evento. Mulheres grávidas também não devem quebrar varas, moer
      grãos, fazer pão, cozinhar, cortar e limpar durante grahanas, pois tudo isso afetará a
      criança.
    3. Não se deve cochilar numa faixa de quatro horas antes e depois do grahana.
    4. Não se deve comer durante Sūrya ou Chandra grahana. Idealmente, a última
      refeição deve ser
      feita doze horas antes do Sūrya grahana ou nove (outros dizem seis) antes do Chandra
      grahana.
      5- Crianças, velhos e doentes são exceção e podem jejuar por três horas apenas.
      Alimento cozido antes de um grahana não deve ser consumido após este, deve ser
      jogado fora. Quando o luminar se põe antes do fim do grahana, só se deve comer no
      dia seguinte, após ter visto o luminar novamente
      em sua ascensão. Um banho é necessário nessa situação antes de se alimentar.
    5. Os resultados dos sacrifícios/práticas espirituais realizadas durante saṅkrānti, Sūrya
      vāsara, sap-tamī, vaidhṛti, vyatīpāta, hasta, tvaṣṭṛ, punarvasu, ekādaśī, caturdaśī,
      aṣṭamī, āmāvāsya e pūrṇimatithī são multiplicados centenas de vezes, mas os dos
      grahanas multiplicam-se milhões de vezes, de acordo o Padma purāṇa. Entre os
      muitos sacrifícios propostos nos textos sagrados, nenhum se equipara ao cantar do
      santo nome de Śrī Hari. Na própria Gītā, Śrī Kṛṣṇa diz que entre os sacrifícios
      espirituais, Ele é o cantar murmurado do mantra – yajñānāṁ japa-yajño’smi.
    6. Atividade sexual é desaconselhável 24 horas antes e depois de um grahana, mas,
      idealmente, deve-se considerar 72 horas antes e depois. Crianças nascidas após o ato
      sexual realizado durante um grahana, podem nascer com anomalias, mau caráter, etc.
      8.Folhas de tulasī podem ser depositadas sobre os alimentos para protegê-los da
      contaminação inerente ao momento dos eclipses.
    7. Não se deve cultivar a terra durante um grahana, nem remover as folhas de uma
      tulasī.
    8. Até o fim do grahana deve-se recitar japa, jejuando de sono.
    9. Após o grahana deve-se trocar de roupas.”

    Períodos de Retrogradação
    Os períodos de retrogradação são períodos para fazer pausas, de reflexão, de revisitar
    assuntos pendentes, períodos em que os assuntos significados pelo graha retrógrado,
    são convidados a serem revistos e ponderados.

    São vários os grahas que ficam retrógrados todos os anos e encontram, nesse período,
    possibilidade de estarem em destaque nas nossas mentes, nas nossas vidas.

    Listo aqui os períodos de retrogradação dos diferentes grahas neste ano de 2024:

    Śani – 29/06/24 (25º Aquário) a 15/11/24 (18º Aquário)
    Guru – 9/10/24 (27º Touro) a 4/2/25 (17º Touro)
    Maṅgala- 7/12/24 (11º Câncer) a 23/02/25 (22º Gêmeos)
    Budha – 2/04/24 (2º Áries) a 25/04/24 (21º Peixes)
    4/08/24 (9º Leão) a 28/08/24 (27º Câncer)
    26/11/24 (28º Escorpião) a 15/12/24 (12º Escorpião)

    Ciclos lunares

    É também muito importante estar atento aos ciclos lunares, observando os diferentes
    momentos da lua cheia e da lua nova, movimentos naturais aos quais também nós nos
    devemos adaptar e fluir com os mesmos.
    Porque há momentos de expansão, de dinamismo e de trabalho, mas também são
    necessários os momentos de pausa, descanso e interiorização, é fundamental que
    entendamos que, tal como a natureza, tudo é cíclico e devemos observar, aceitar e
    integrar esses mesmos ciclos nas nossas vidas.

    Hari Om
    Maria João Coelho
    Imagem – Fonte: https://www.hinduismtoday.com/magazine/october-november-december-2015/2015-10-educational-insight-
    jyotisha-hindu-astrology/

  • Sandhi

    ज्योतिष – JYOTIṢA – Sandhi

    Hoje falaremos sobre o termo “Sandhi”, que, literalmente significa junção. Na astrologia falamos deste termo quando os grahas (planetas) se localizam no final de um signo, início do outro. Como o sistema de casas mais utilizado na astrologia védica é um sistema de casas inteiras, através do qual as fronteiras de um signo correspondem às fronteiras de uma casa astrológica, tal equivale a dizer que este fenómeno também ocorre quando os grahas se situam no final de uma casa astrológica, quase no início da casa seguinte.

    Ocorre quando se situam no último grau de um signo (aproximadamente entre o grau 29 de um signo e o grau 0 do outro signo). Estes pontos do mapa são considerados pontos difíceis, pois enfraquecem os grahas ali situados, prejudicando todos os seus temas e significados num mapa natal.
    Como é um ponto de mudança, muito sensível, reflete uma certa falta de posicionamento e direção do graha.

    É um ponto de transição entre duas energias diferentes, no qual o planeta ali posicionado, perde a sua expressão e integridade. Um graha localizado no meio de um signo, expressar-se-á de forma muito mais forte e evidente, do que um graha localizado nos inícios ou finais de um signo.

    Se nós possuirmos no nosso mapa natal um graha nestas condições, teremos então que prestar mais atenção a este graha, tentando entender a sua forma de atuação e por vezes, utilizar um Upāya (um “remédio astrológico”) para amenizar o potencial negativo deste graha.

    À semelhança do que acontece num mapa natal, também não é auspicioso dar início a qualquer nova atividade ou projeto, quando um graha, em trânsito, se encontra em mudança de signo, principalmente se o graha em questão, estiver relacionado com o tema do novo projeto (exemplo: desfavorável para casamentos ou inícios de novos relacionamentos, o momento em que Vénus se encontra nesta posição).

    Destes pontos de junção, existem alguns mais relevantes que se situam nas junções dos signos de água e de fogo, jala e agni-rāśis, ou seja, entre os signos de peixes e áries, câncer e leão, escorpião e sagitário. Estes pontos sensíveis são conhecidos como gaṇḍānta, “o fim do nó”, que corresponde, simultaneamente, ao ponto de junção ou transição (sandhi) de duas nakṣatras e de dois rāśis (signos). Este assunto foi já anteriormente abordado numa outra edição da newsletter. Recomendo a sua leitura.

    Hari Om
    Maria João Coelho
    Imagem – Fonte: https://myastrology.com

  • ज्योतिष – JYOTIṢA

    Combustão e Retrogradação

    Sūrya é considerado o Ātman, a alma, regendo a vida e a consciência e é a luz que
    permite que todo o universo de manifeste. Apesar disto e embora de natureza
    sattvica, pura, ele é considerado um graha maléfico pois pelo seu excesso de calor e
    secura pode ser causa de dificuldades, principalmente se existir algum graha muito
    próximo dele. Nesse caso, dá-se um fenómeno chamado de astangata (combustão). A
    combustão é um fenómeno astrológico que acontece quando os grahas (planetas) se
    movem tão próximos do Sol que se tornam invisíveis para nós. Quanto mais um graha
    se aproxima do Sol, mais distante se torna da Terra e quanto maior a sua proximidade
    ao astro rei, menor será a sua força e o seus significados sairão prejudicados, tanto
    quanto no mapa natal de um indivíduo, como quando em trânsito pelo mesmo.


    Devido ao trânsito de Budha (Mercúrio), ser muito idêntico ao de Sūrya, ele nunca fica
    muito distante, podendo estar afastado dele no máximo um signo. Apesar desta
    proximidade, a conjunção dos dois grahas é considerada uma configuração que denota
    também inteligência e capacidades cognitivas.


    Os grahas benéficos naturais (Guru e Śukra) quando combustos, perdem a sua
    habilidade para exercer a sua influência benéfica nas áreas do mapa com as quais se
    relacionam. Por exemplo, Guru combusto poderá prejudicar o tema “filhos” (um dos
    temas significados por Guru) e Śukra, quando combusto, prejudicará a área afetiva (um
    dos temas significados por Śukra). Os grahas maléficos naturais (Maṅgala e Śani), por
    sua vez, ganham a habilidade de exercer uma influência mais maléfica. Isto acontece
    em termos gerais, pois outras configurações do mapa podem atenuar ou acentuar
    estas tendências, como a força do graha, a casa astrológica na qual se situa, as casas
    astrológicas que rege, aspetos que recebe de outros grahas, entre outros.


    Como referido anteriormente, quanto maior a proximidade de Sūrya, mais severos
    tenderão a ser os resultados. Outro aspeto que importa referir é que, os efeitos
    negativos são mais evidentes quando o graha caminha em direção ao Sol do que
    quando ele começa a afastar-se, mesmo que esta distância seja a mesma: os aspetos
    aplicativos são sempre mais potentes que os aspetos separativos.

    As orbes de combustão (distância em graus do Sol) variam de um graha para o outro.
    Hart de Fouw considera as seguintes orbes: 17º para Maṅgala, 14º para Budha (12º
    quando retrógrado,), 11º para Guru, 10º para Śukra (8º quando retrógrado) e 15º para
    Śani. No entanto, a combustão é considerada significativa a partir de 10º, severa a
    partir de 6º e muito severa a partir de 3º.


    Quando um graha se encontra retrógrado (aparentemente a movimentar-se em
    sentido oposto zodiacal), ele distancia-se do Sol e fica mais próximo da Terra. Neste
    caso, o fenómeno da retrogradação é considerado um fator de força para o graha. Ele
    é considerado śākta (forte, poderoso), mas também irreverente, pois um graha
    retrógrado está associado a um comportamento menos previsível do graha, estando
    também associado a indecisões e mudanças de direção. Um graha śākta estará mais
    forte, podendo a sua influência ser potencialmente mais benéfica ou mais maléfica do
    que quando se encontra no estado de movimento direto.


    Desta forma, quando śāktas (em movimento retrógrado), Budha e Śukra, embora
    combustos, estarão mais fortalecidos do que se estiverem combustos e em movimento
    direto, sendo os seus significados beneficiados.
    Outros grahas que também possuem movimento retrógrado, para além de Budha e
    Śukra, são Maṅgala, Guru e Śani.

    Hari Om
    Maria João Coelho
    Imagem – Fonte: https://socientifica.com.br/

  • Sinastria ānukūlya

    ज्योतिष – JYOTIṢA

    Sinastria (ānukūlya)

    A palavra ānukūlya tem como significado aquilo que é favorável, aquilo que é adequado. Desta forma,
    esta técnica da astrologia indiana, no ocidente conhecida como sinastria, tem como objetivo analisar o
    grau de compatibilidade entre duas pessoas, especificamente entre casais, através da análise individual
    e conjunta dos seus mapas natais.


    Kāma, a satisfação sensorial, é um dos quatro objetivos do ser humano (puruṣārtha). No entanto, para
    obter kāma, é ideal a existência do casamento ou alguma situação similar. O próprio desejo sexual é
    essencial para a manifestação de novas vidas, pelo que uma vida conjugal pode e deve ser algo muito
    auspicioso.


    A vida em família, gṛhāstha, através da prática do karma yoga, é uma das mais bonitas formas que o ser
    humano tem ao seu alcance para ganhar a maturidade emocional e a purificação da mente, para poder
    estar apto para o autoconhecimento, para o estudo do “Eu” ilimitado. É desejável que possamos, neste
    caminho em família, estar acompanhados de alguém que nos compreenda, respeite, possua valores
    semelhantes e nos apoie neste caminho. Para tal, é muito importante que possa existir harmonia entre
    o casal em diversas áreas da sua vida.


    Através desta técnica, conseguimos compreender se a experiência afetiva será boa ou não. Convém
    frisar que, embora esta técnica seja aplicada essencialmente a casais, ela pode ser utilizada para
    verificar compatibilidade entre pessoas com diferentes vínculos familiares, de amizade ou mesmo
    profissionais.


    Desta forma, a sinastria implica analisar, em primeiro lugar, o mapa individual de cada pessoa, pois é
    neste mapa que observamos as tendências mais ou menos favoráveis da experiência afetiva dessa
    pessoa, os seus padrões kármicos de relacionamento. A análise do mapa natal individual revela as
    promessas natais do indivíduo nessa área, pelo que será sempre prioridade face à análise conjunta. A
    conjugação nunca se poderá sobrepor às promessas do mapa de cada um.


    Assim, o estudo começa com a análise individual do mapa de cada um dos membros do casal, com o
    estudo das casas astrológicas relacionadas com o tema e com o estudo dos significadores de
    relacionamento. Através deste estudo, podemos concluir acerca da duração dos relacionamentos, do
    número de relacionamentos, da tendência para divórcio e/ou viuvez, da fidelidade e /ou adultério, da
    natureza dos parceiros ou parceiras.


    O passo seguinte é, então, a sinastria. Esse tipo de análise envolve, tradicionalmente, aṣṭa ou daśa-kuta,
    (técnica que analisa oito ou dez itens distintos), todos inferidos a partir do rāśi (signo) e nakṣatra
    ocupado por Chandra (Lua) nos mapas dos casais. O mais utilizado é o modelo do sul da Índia, o daśa-
    kuta. (analisa: rāśi, rāśyadhipati, vaśya, mahendra, gaṇa, yonī, dina, strī-dīrgha, rajju e vedha).
    A técnica da sobreposição de jātakas (mapas natais), é mais contemporânea, mas extremamente eficaz
    para evidenciar as dinâmicas relacionais, através dos relacionamentos estabelecidos entre os grahas
    (planetas) de duas pessoas.

    Aqui analisam-se variadíssimas conexões entre os principais significadores do mapa de cada um, sendo
    as principais as que se estabelecem entre o lagna (ascendente), Chandra (lua), Sūrya (sol) e Śukra
    (vénus).
    Quanto mais e harmoniosas conexões se estabelecerem entre estes significadores, maiores as hipóteses
    de existir harmonia entre o casal a diversos níveis: emocional, intelectual, capacidade de comunicar,
    forma de expressar amor, semelhança de educação e valores, entre outros.


    Como é natural, na maior parte das vezes deparamo-nos com um misto de conexões harmoniosas e
    menos harmoniosas, o que se traduz em relacionamentos mais desafiantes, mas com potencial de
    crescimento, caso haja maturidade nos dois elementos do casal.
    Para além disso, existe sempre a possibilidade da utilização de upāyas (remédios astrológicos), para
    casar/ relacionar-se e preservar relacionamentos.


    Para além da prática do mantra pessoal e do autoconhecimento, é dito que é favorável o estudo dos
    kāma-śāstras, seguir as recomendações do āyurveda no que diz respeito à vida sexual e afetiva, realizar
    vratas como o Soma-vrata, Kātyāyaṇī-vrata, recitar o Svayaṁvara Pārvatī mantra e ainda escutar a
    narração do casamento de Śiva e Pārvatī, conforme o Śiva-purāṇa.


    Hari Om
    Maria João Coelho

  • Maria Joao Coelho Astrologia Vedica

    ज्योतिष – JYOTIṢA

    Trânsitos astrológicos final do ano

    A minha proposta neste texto, é colocar as principais orientações astrológicas para este final de ano de
    2023, para que cada um possa refletir nas mesmas, tentando integrar todas essas energias na sua vida,
    quer externa como interna, de forma a navegar nas ondas do samsara de forma mais segura, firme e
    consciente, tomando as melhores decisões a todo o momento, sempre que possível.


    O ano de 2023 tem sido um ano com uma energia muito forte. Uma energia dinâmica, rápida e intensa
    que certamente levou e ainda levará a mudanças muito significativas na vida de cada um. Tem sido,
    certamente, um ano de grandes oportunidades para aqueles que estão dispostos a abrir mão do
    controlo e fluir com a vida, numa atitude de maior flexibilidade e desapego do que já não faz mais
    sentido permanecer nas suas vidas.


    Um ano para quebrar padrões, de forma a aproveitar as novas oportunidades que a vida reserva.
    Um ano com desafios quer a nível material como a nível espiritual. O maior deles será tentar encontrar
    uma ponte segura entre os dois lados, o que apenas será possível se existir uma verdadeira conexão
    interna e uma vontade sincera no nosso crescimento.


    Eclipses de final do ano
    Teremos ainda, neste final do ano, dois eclipses:
    14 de outubro: Lua nova -eclipse solar (anular) a 26º de virgem.
    Será visível na América do Sul (exceto sul do Chile e da Argentina), América do Norte
    (exceto Groenlândia) e América Central. 
    28 de outubro: Lua cheia- eclipse lunar (parcial) a 10º de áries
    Será visível na Europa, Ásia e África, extremo leste da América e parte da Austrália. No Brasil, parte da
    Região centro-Norte poderá contemplar o fenômeno.
    Quanto mais visível o eclipse na região onde nos encontramos, maior os seus efeitos.
    Os eclipses afetarão em particular quem tiver grahas no eixo áries – libra ou quando esse eixo
    corresponde a áreas importantes do mapa. De qualquer forma, as casas onde ocorrem os eclipses terão
    os seus temas afetados por estas energias. Este eixo áries-libra tem sido alvo da passagem dos nodos
    lunares – Rahu e Ketu – nos últimos 18 meses, aproximadamente. Estes dois eclipses fecham aqui a
    passagem por estes signos, encerrando assuntos ligados a estes dois signos no mapa de cada um. Um
    ciclo se fecha e outro se abre, num novo eixo.
    Os efeitos dos eclipses podem ocorrer até cerca de seis meses após a sua ocorrência, sendo
    responsáveis, muitas vezes, por mudanças abruptas na vida da pessoa, correspondendo a finais ou
    inícios de novos ciclos. São períodos que fogem por completo ao nosso controlo e quando decisões são
    tomadas, mudam, por completo, a nossa vida.

    Novo eixo dos eclipses
    A passagem dos nodos, Rahu e Ketu, irá ocorrer, entre 30/10/23 e 18/05/25, no eixo Virgem/Peixes.
    Rahu transitará por Peixes e Ketu transitará por Virgem. Verifique em que casas astrológicas tem estes
    dois signos, pois os assuntos significados por essas casas, serão alvo de mudanças e muita atividade/
    instabilidade.
    Existe neste trânsito um elevado potencial espiritual. Que possamos aproveitá-lo para crescer, através
    de do estudo e da devoção.

    Recomendações para os eclipses
    O mais relevante será mesmo a prática de japa com o mantra pessoal. 
    É igualmente recomendado escutar o “Hanuman Chalisa”.

    Algumas orientações dos śāstras relacionadas aos eclipses são:

    1. Numa faixa de três dias antes e após o eclipse, nenhuma atividade material auspiciosa deve ser
      iniciada.
    2. Mulheres grávidas jamais devem olhar um grahana (eclipse) e nem sequer sair de casa durante tal
      evento. Mulheres grávidas também não devem quebrar varas, moer grãos, fazer pão, cozinhar, cortar e
      limpar durante grahanas, pois tudo isso afetará a criança.
    3. Não se deve cochilar numa faixa de quatro horas antes e depois do grahana.
    4. Não se deve comer durante Sūrya ou Chandra grahana. Idealmente, a última refeição deve ser
      feita doze horas antes do Sūrya grahana ou nove (outros dizem seis) antes do Chandra grahana.
      5- Crianças, velhos e doentes são exceção e podem jejuar por três horas apenas. Alimento cozido antes
      de um grahana não deve ser consumido após este, deve ser jogado fora. Quando o luminar se põe antes
      do fim do grahana, só se deve comer no dia seguinte, após ter visto o luminar novamente
      em sua ascensão. Um banho é necessário nessa situação antes de se alimentar.
    5. Os resultados dos sacrifícios/práticas espirituais realizados durante saṅkrānti, Sūrya vāsara, sap-tamī,
      vaidhṛti, vyatīpāta, hasta, tvaṣṭṛ, punarvasu, ekādaśī, caturdaśī, aṣṭamī, āmāvāsya e pūrṇimatithī são
      multiplicados centenas de vezes, mas os dos grahanas multiplicam-se milhões de vezes, de acordo o
      Padma purāṇa. Entre os muitos sacrifícios propostos nos textos sagrados, nenhum se equipara ao cantar
      do santo nome de Śrī Hari. Na própria Gītā, Śrī Kṛṣṇa diz que entre os sacrifícios espirituais, Ele é o
      cantar murmurado do mantra – yajñānāṁ japa-yajño’smi.
    6. Atividade sexual é desaconselhável 24 horas antes e depois de um grahana, mas, idealmente, deve-se
      considerar 72 horas antes e depois. Crianças nascidas após o ato sexual realizado durante um grahana,
      podem nascer com anomalias, mau caráter, etc.
      8.Folhas de tulasī podem ser depositadas sobre os alimentos para protegê-los da contaminação inerente
      ao momento dos eclipses.
    7. Não se deve cultivar a terra durante um grahana, nem remover as folhas de uma tulasī.
    8. Até o fim do grahana deve-se recitar japa, jejuando de sono.
    9. Após o grahana deve-se trocar de roupas.”

    Final da Retrogradação de Śani (Saturno)
    Śani está retrógrado desde 17/06/23 e findará este período a 4/11/23.
    Śani transita o signo de aquário desde o início deste ano e apenas irá para peixes no final de março de
    2025.
    Este trânsito de Śani por aquário e seus efeitos para cada ascendente, foram já descritos na newsletter
    do início do ano.
    Assuntos significados por Śani no mapa natal, têm sido alvo de revisão desde junho. Devemos aproveitar
    este período até início de novembro, para rever valores, observar as limitações na nossa vida, as áreas
    em que sentimos maiores dificuldades e encontrar novas soluções, com mais maturidade,
    responsabilidade, assertividade e discernimento. Através de uma maior conexão e fortalecimento
    internos, temos agora a possibilidade extraordinária de transcender limites, principalmente os da
    mente.
    Esta retrogradação pela nakshatra shatabhisha, ajudará nesse processo de cura interna e de
    crescimento emocional.
    Situações mais complexas e lentas iniciadas em junho, tenderão a começar a fluir (também lentamente)
    a partir do início de novembro.

    Retrogradação de Guru (Júpiter)
    Guru entrou no seu movimento retrógrado no passado dia 5/09/23 e apenas voltará ao movimento
    direto no último dia do ano, 31/12/23.
    Guru transita por Áries até à primavera do próximo ano, trazendo força, dinamismo e energia aos
    assuntos significados por Guru. Durante este período de retrogradação, há a oportunidade de revisitar
    temas de Guru: espiritualidade, estudos, formações, ensino, relação com professores, finanças, filhos,
    repensando na direção a tomar e escolhas relativas a cada um deles.
    Este trânsito de Guru poderá beneficiar, em particular, os que possuem o Lagna (ascendente) e /ou
    Chandra (Lua) nos signos de gémeos, câncer, leão, sagitário, capricórnio e peixes.
    Neste período de retrogradação, Guru transitará pela nakshatra Bharani e pela nakshatra Aswini. O
    momento será propício para atividades ligadas à cura, para cuidar da saúde a todos os níveis, para dar
    inícios a novos empreendimentos, novos estudos, dar expressão aos talentos. O momento é favorável à
    fertilidade e à prosperidade. A conexão espiritual será muito favorecida neste período, pelo que o
    momento pede força, convicção e devoção.


    Hari Om
    Maria João Coelho
    Imagem – Fonte: https://www.sevenwindsyoga.com/

  • ज्योतिष – JYOTIṢA

    GAṆḌĀNTA

    Hoje falaremos de um conceito muito importante no jyotiṣa, que é o conceito de gaṇḍānta. Tem o
    significado literal de “o fim do nó”, e corresponde, simultaneamente, ao ponto de junção ou transição
    (sandhi) de duas nakṣatras e de dois rāśis (signos). Eles estão situados nas junções dos signos de água e
    de fogo, jala e agni-rāśis, ou seja, entre os signos de peixes e áries, câncer e leão, escorpião e sagitário,
    pois há um perfeito alinhamento de nakṣatra e rāśi nesses pontos, demarcando assim os ciclos de
    criação (fogo) e dissolução (água) por que passam todas as coisas neste mundo.

    Estes pontos, considerados inauspiciosos, situam-se, em termos de nakṣatras, nos primeiros 3º e 20’ de Ashvini (em áries), Magha (em leão) e Mula (em sagitário) e nos últimos 3º e 20´ de Ashlesha (em câncer), Jyeshtha (em escorpião) e Revati (em peixes). Também em astrologia eletiva (Muhūrta), evitam-se os dias de passagem de chandra ou outro graha por estes pontos, para novos inícios ou atividades auspiciosas.


    Estes pontos de transição ou “nós kármicos” estão associados a uma dinâmica tensa e difícil, sendo que
    todos os grahas (planetas), situados nestes pontos, ficam debilitados e tendem a trazer dificuldades aos
    temas a eles associados num mapa natal. Estas questões fazem-se sentir na vida de um indivíduo, por
    meio de relacionamentos pessoais, eventos traumáticos ou lutas internas. Quando o lagna (ascendente)
    ou chandra (lua) calham nestes pontos no mapa natal, considera-se esta situação um doṣa, situação
    muito desarmoniosa que afetará toda a vida do indivíduo, em geral.


    O gaṇḍānta situado em peixes/revati e áries/ashvini está associado a finais e inícios de novos ciclos, o que pode levar o indivíduo a indecisões, dificuldade em entender estes ciclos, levando a grande confusão mental.


    O gaṇḍānta situado em câncer/ ashlesha e leão/ magha traz consigo mudanças psicológicas profundas
    que conduzem o indivíduo a um novo estado de consciência e a um enorme crescimento.
    O gaṇḍānta situado em escorpião/jyeshta e sagitário/mula, é talvez dos mais difíceis, pois as mudanças
    psicológicas são muito fortes e a vivência das emoções bastante intensa, pois muita maturidade é
    necessária para avançar para um estado de maior consciência.


    Sendo estes pontos de grande sensibilidade e com capacidade de trazer infortúnios à vida de uma
    pessoa em termos materiais, eles podem ser extremamente relevantes no caminho espiritual. Através
    de um entendimento mais profundo, estes pontos são “janelas” de expansão da consciência, e podem
    inclinar o indivíduo para a necessidade de se debruçar de forma mais profunda internamente, de
    maneira a poder transcender as necessidades terrenas e com um maior conhecimento, entendimento e
    aceitação, enveredar pelo verdadeiro caminho do autoconhecimento.

    Maria João Coelho

  • A Grandeza de Saturno

    ज्योतिष – JYOTIṢA

    “A Grandeza de Saturno”

    Como habitualmente, sentei-me para escrever o texto mensal. Vários temas surgiram na minha mente, mas senti que neste momento era necessário fazer uma pausa na linha de pensamento e escrever sobre o que vou escrever. Talvez tenha sentido esta vontade porque Saturno se prepara para entrar no seu período de retrogradação que irá de 17 de junho até 4 de novembro e convida à reflexão …ou porque muitas pessoas têm sentido o efeito terapêutico desta obra ou ainda porque muitas outras têm sentido curiosidade acerca dele, mas entendi que seria importante falar um pouco acerca do livro, a “Grandeza de Saturno”.


    Este livro veio parar às minhas mãos através do Professor Paulo Vieira. Foi uma bênção receber este presente! A “grandeza de Saturno” é um mito terapêutico, contado e recontado ao longo de muitos séculos. Mais que um livro ou uma obra, é uma pérola de sabedoria, de reverência não só a Saturno, como a toda a tradição védica.


    Por um lado, podemos ficar a conhecer as principais histórias associadas a cada deidade que preside cada graha (planeta), compreendendo melhor as suas caraterísticas, o seu significado, o seu poder e a sua forma de atuação, o que permite uma maior consciência acerca dos arquétipos de cada um e acerca da forma como os nossos karmas, a eles associados, se revelam.


    Por outro lado, existe um potencial enorme de conexão interna, com as nossas crenças, com a nossa fé, pois somos conduzidos de forma mágica pelas páginas do livro e convidados a sentir, a observar, a viver os nossos medos, receios, ilusões, sonhos …. uma porta para o nosso interior, para a nossa cura!
    E como ponto fulcral e principal, a reverência a Śani, o Senhor Saturno, tão poderoso e temido, o Senhor do tempo e do karma, que não poupa nada nem ninguém, mas tão importante na nossa vida, no nosso crescimento, na nossa maturidade emocional, na busca por mokṣa. Numa das edições anteriores da Mukti, tive oportunidade de falar um pouco sobre Śani. Fica aqui o convite para a sua leitura.


    Este livro, para além de evidenciar todo o seu poder, toda a sua grandiosidade, toda a sua capacidade, tem como objetivo mudar a nossa forma de olhar para Śani. Compreender Śani no nosso íntimo, é apaziguar os nossos receios, é aprender a fluir com a vida, é abraçá-la sem medo, mas com responsabilidade, aceitação e entrega e é a oportunidade para transcender a visão limitada que temos acerca do mundo, acerca de nós. É o caminho para o autoconhecimento, para a verdadeira libertação.


    São muitas as pessoas com quem contacto que têm tido a oportunidade de abraçar este livro, muitas vezes em momentos muito delicados e confusos das suas vidas, e sentem o efeito poderoso e de verdadeira cura deste maravilhoso mito!
    Graças ao Dr. Robert E. Svoboda, que fez a tradução desta obra para o inglês como reverência a Śani num momento bastante delicado da sua vida, temos a oportunidade de entrar em contacto com esta história e beneficiar de todo o seu profundo ensinamento.
    Existe também já uma belíssima tradução para o português de Eliane Cilmara Edições.
    Ambos os livros estão disponíveis para compra em diversos sites.


    O meu voto é que esta história possa ser cada vez mais partilhada e acolhida no coração de cada um, de forma verdadeira e comprometida.


    Om sham shanaishcharaya namah 
    Maria João Coelho

  • pancha mahapurusha yogas

    ज्योतिष – JYOTIṢA – Pancha Mahāpuruṣa Yogas

    Os yogas são combinações especiais dos grahas (planetas) num mapa astrológico, que
    se traduzem em resultados bem específicos. Existem inúmeros yogas descritos nos
    textos clássicos, agrupados por categorias, que auxiliam o astrólogo na sua análise e
    que são de extrema importância para a compreensão de muitos aspetos essenciais de
    um mapa natal.
    Os Yogas, ou configurações astrológicas mais relevantes são:

    • Rāja Yogas: revelam eminência, poder, capacidade de liderança, fama;
    • Dhana Yogas: outorgam riqueza;
    • Daridra Yogas: configurações que revelam pobreza;
    • Pravrajya Yogas: configurações de renúncia;
    • Chandra Yogas: combinações especiais envolvendo a lua;
    • Sūrya Yogas: combinações especiais envolvendo o sol;
    • Nābhāsa Yogas: configurações gerais de um mapa;
    • Viśeṣa Yogas: configurações especiais de um mapa;
    • Ayur Yogas: configurações de longevidade.

    No entanto, existe uma categoria de yogas, os pancha mahāpuruṣa yogas, que são de
    extrema importância e, que, quando presentes num mapa natal, revelam o nascimento
    de uma “grande alma”.
    Estes yogas acontecem quando Marte, Saturno, Vénus, Mercúrio e Júpiter se
    encontram no(s) seu(s) próprio(s) signo(s) ou signo de exaltação e estão posicionados
    numa casa angular a partir do ascendente: casas 1, 4, 7 ou 10.

    Consoante o graha em questão, teremos os seguintes yogas e respetivos efeitos:
    Ruchaka Yoga
    Este yoga forma-se quando Maṅgala (Marte) ocupa um kendra (casa angular: 1,4,7 e
    10) e se situa nos signos de áries, escorpião ou capricórnio.
    Ruchaka significa algo brilhante e afiado. A pessoa que nasce com este yoga terá uma
    face longa, força, entusiamo, vigor, um temperamento forte e impetuoso, será bravio
    e vencerá os seus inimigos. Será um líder natural, gostará de lutas e desafios. Terá uma
    personalidade atraente, será meritoso e virtuoso, competitivo e dominador. Poderá
    também revelar um lado mais cruel e arrogante. Será corajoso, instruído e devoto.
    Exemplos de personalidades com este yoga: Adolf Hitler; Henry David Thoreau.
    Bhadra Yoga
    Este yoga forma-se quando Budha (Mercúrio) ocupa um kendra (casa angular: 1,4,7 e
    10) e se situa nos signos de virgem e gémeos.
    Bhadra significa abençoado, próspero. A pessoa que nasce com esta configuração será
    esplendorosa como um leão, valente, próspera, longeva, instruída, dotada de inúmeras
    capacidades intelectuais, valente, correto, gracioso, polido, culto, versado no
    conhecimento, eloquente, independente, dedicado à família, rico e também dado aos
    prazeres e sensualidade. Terá uma bela aparência e um andar majestoso.
    Exemplos de personalidades com este yoga: Arnold Schawaerzenegger; Bill Gates.
    Hamsa Yoga
    Este yoga forma-se quando Guru (Júpiter) ocupa um kendra (casa angular: 1,4,7 e 10) e
    se situa nos signos de câncer, sagitário e peixes.
    Hamsa é um cisne, símbolo de pureza e de discernimento. A pessoa que nasce com
    esta configuração terá um corpo bonito. Será longevo e deterá uma grande força
    espiritual e pureza. Terá inteligência, eloquência, reverência, instrução, grande mérito,
    devoção às tradições e aos mais velhos, versado no conhecimento, benevolente,
    religioso, gozará de prazeres, será respeitado por todos e alcançará um cargo elevado.

    Exemplos de personalidades com este yoga: Steve Vai; Sri Aurobindo.
    Malavya Yoga
    Este yoga forma-se quando Śukra (Vénus) ocupa um kendra (casa angular: 1,4,7 e 10) e
    se situa nos signos de touro, libra e peixes.
    Malavya é uma guirlanda, símbolo de beleza. A pessoa que nasce com esta
    configuração será bela, elegante, com traços finos e proporcionais. Será rica, possuirá
    bens e desfrutará de muitos prazeres ao longo da vida. Casará e terá filhos, será
    próspera, culta, instruída. Gozará de saúde, será renomada e famosa.
    Exemplos de personalidades com este yoga: Princesa Diana; Albert Einstein.
    Śaśa Yoga
    Este yoga forma-se quando Śani (Saturno) ocupa um kendra (casa angular: 1,4,7 e 10)
    e se situa nos signos de capricórnio, aquário e libra.
    Śaśa é um coelho, com a sua natureza ativa e rebelde. A pessoa que nasce com esta
    configuração gosta de movimento, de vaguear, sente-se confortável em florestas,
    bosques, montanhas. Apresenta um corpo belo e forte. Terá um espírito livre, será
    dotado de inteligência, será valente, bravio, forte, viril, será um líder apreciado pelos
    outros, será meritoso e hábil nas suas tarefas. Terá poder e fama. Conhece as
    fraquezas dos outros e poderá ser crítico e cruel.
    Exemplos de personalidades com este yoga: Marilyn Monroe; Barack Obama.

    Hari Om
    Maria João Coelho
    Foto – Fonte: https://blog.cosmicinsights.net/

  • Nakshatra

    ज्योतिष – JYOTIṢA

    Natureza das nakṣatras

    Tal como já referido em edições anteriores, tanta a fase lunar como o posicionamento da lua
    em determinada nakṣatra *, são de extrema relevância para a tomada de melhores decisões
    no nosso dia a dia, tal como a eleição de dias propícios para a realização de rituais (como
    casamentos e outros eventos relevantes) e início de atividades específicas e momentos mais
    auspiciosos para certas atividades (astrologia eletiva ou Muhūrta).
    *Nakṣatras são vinte e sete asterismos que foram descritos na antiguidade, nos Vedas, tendo
    por base o ciclo sideral lunar de 27,321 dias. Na mitologia, as nakṣatras são considerados as
    noivas de Chandra, o deva que preside a Lua e que, por ser inquieto e lascivo, cada dia deita-se
    com uma das suas esposas, percorrendo, desta forma, os 27 nakṣatras ao longo de um mês.
    Existem nakṣatras mais favoráveis ou desfavoráveis para determinados assuntos/eventos.
    Desta forma, é imprescindível conhecer a natureza essencial das nakṣatras. Desta forma,
    quando a lua transita por:
    -Natureza dhṛuva (estável): Rohini, Uttaraphalguni, Uttarashada e UttaraBhādrapadā  –
    favorável para tudo o que queremos que seja de longo prazo, estável e durável, tal como
    casamentos, construções, estabelecimento de fundações, mudança de habitação, novos
    negócios e atividades, parcerias, agricultura.
    -Natureza mṛdu (suave): Chitra, Mrigashīrsha, Anuradha e Revati – favorável para atividades
    leves, lazer, viagens, atividades artísticas, convívios, atividade sexual, prazeres,
    entretenimento.
    -Natureza laghu (leve) e kṣipra (rápido): Ashvini, Pushya e Hasta – favorável para iniciar
    atividades auspiciosas, novos negócios, viagens, atividades de cura, aprendizagem.

    • Natureza chara (móvel): Punarvasu, Svati, Shravana, Shatabhisha e Dhanishta – favoráveis
      para tudo o que implique movimento e mudanças (impermanência), viagens, rotinas diárias,
      compras, veículos.
    • Natureza tīkṣṇa (severo; afiado): Ardra, Āshleshā, Jyeshtha e Mula – favorável para tudo o
      que é desagradável, tal como resolução de questões complexas, legais, lidar com inimigos,
      lidar com energias de medo, ir à raiz dos problemas.

    -Natureza ugra
    (feroz):Bharani,Maghā,PūrvaPhalgunī,PurvaAshada,PurvaBhādrapadā,favorável para
    destruição e atividades difíceis ou cruéis.

    • Natureza mṛdutīkṣṇa (misto de suave e agudo): Krittika e Vishakha: possuem energias
      mistas. Nada de muito relevante deve ser iniciado nos dias em que a lua transita por elas.

    Abaixo apresento a listagem dos nakṣatras, com a sua distribuição longitudinal ao longo dos
    rāśis (signos) e o deva/devī relacionado a cada um deles.

    Existem alguns sites e aplicações que podem ser instaladas e consultadas diariamente e
    verificar qual a fase lunar e em qual nakṣatra a lua transita nesse dia, de forma a aproveitar a
    energia de cada momento da melhor forma possível.
    Ficam aqui algumas sugestões:

    • https://www.cosmicinsightsshop.com/collections/apps
    • https://align27.com/
    • https://www.drikpanchang.com/
      De qualquer forma, existem outros parâmetros igualmente importantes na eleição de um
      dia/momento mais propício para determinada atividade, inclusive observando e cruzando
      informação com o próprio mapa natal da pessoa em questão. Assim, para assuntos realmente
      mais importantes, é sempre preferível recorrer à opinião de um astrólogo profissional, que
      poderá dar uma orientação mais elaborada e mais precisa dependendo de cada situação
      específica.

    Nota: Para melhor entendimento de alguns conceitos aqui presentes, aconselho a leitura dos
    artigos presentes nas edições anteriores da Mukti.

    Imagem – Fonte: https://www.astrosage.com/nakshatra/
    Maria João Coelho

  • ज्योतिष– JYOTIṢA

     Lunações

    Como tivemos oportunidade de abordar numa edição anterior, Chandra (Lua), tal como os pensamentos, movimenta-se de forma rápida e oscilante. Chandra relaciona-se com os nossos processos mentais, emocionais e (in)decisões, representando a nossa mente emocional.

    Governante da noite, Chandra está também intimamente ligado ao conceito das nākṣatras, conceito também já abordado numa edição anterior. Estas são asterismos, mansões lunares ou constelações de 13 graus e 20 minutos cada, que corresponde a uma divisão zodiacal em 27 partes, cada uma com a sua especificidade e deidade associada, e representam, na mitologia, as 27 esposas de Chandra Deva. Na medida em que Chandra leva aproximadamente 27 dias a dar a volta completa ao zodíaco, é referido que Chandra se deitaria cada noite com uma esposa diferente. Dado aos prazeres, Chandra acaba por receber influência de cada uma das nākṣatras, sendo que também esse facto é extremamente relevante na análise da personalidade de um jīva (indivíduo).

    Relativamente ao mapa natal, praticamente todos os autores clássicos são da opinião que nascer em śukla-pakṣa (quinzena brilhante) outorga bons resultados, enquanto que nascer em kṛṣṇa-pakṣa (quinzena escura) pode levar a maus resultados. No entanto, Chandra é especialmente fraco durante o quarto minguante, que vai de kṛṣṇa aṣṭāmi (oitavo dia lunar da quinzena escura) à śukla pratipad (primeiro dia da quinzena brilhante), sendo que em kṛṣṇa-chaturdaśī (décimo quarto dia da quinzena escura) e em āmāvāsya (lua nova) Chandra outorga os piores resultados, pois esses dois dias lunares são classificadas nos clássicos como doṣas (defeitos ou desarmonias que afetam o mapa natal de forma integral).

    Chandra é especialmente forte no quarto crescente, que vai de śukla aṣṭāmi (oitavo dia da quinzena brilhante) à kṛṣṇa pratipad (primeiro dia da quinzena escura), pois é nesse período que a sua luminosidade é maior e ainda coincide com a sua fase ascendente.

    Na fase cheia, pūrṇimā, Chandra detém máxima luz e outorgará bons frutos. Por sua vez na fase nova, āmāvāsya e no dia anterior a este (14º dia da quinzena escura), em kṛṣṇa-chaturdaśī, Chandra detém pouca ou nenhuma luz.

    Devido às suas diferentes fases, é inevitável que possamos sentir nas nossas vidas, no nosso dia a dia, os efeitos destas oscilações de Chandra, assim como pela sua passagem pelos diferentes rāśis (signos), os quais irão impregnar Chandra com as suas caraterísticas peculiares.

    No entanto, cada diferente fase tem a sua energia e deve ser aproveitada para agir de determinada forma:

    – Lua Nova (āmāvāsya): indica quando o mês lunar começa, ou seja, uma nova lunação. Esta fase é boa para criação/planeamento de novas ideias/atividades nas várias áreas da vida. Momento excelente para reflexão, contemplação, estudos.

     – Lua Crescente: fase da lua que convida a agir. Por isso, é um bom momento para iniciativas e resultados rápidos.

    – Lua Cheia (pūrṇimā): momento excelente para exposição, visibilidade. Representa o ápice do mês lunar que começou na Lua Nova, de colheita de resultados anteriormente semeados. Fase com muita energia, na qual as emoções poderão manifestar-se de forma mais intensa.

    – Lua Minguante: Esta é uma fase para começar a desacelerar o ritmo, de observação e de maior recolhimento, fase para analisar os resultados das ações das semanas anteriores.

    Fica aqui um calendário das diferentes fases da lua para os próximos três meses, para melhor planeamento e direcionamento das nossas ações.

    Nota: Importante consultar as newsletters referentes aos rāśis (signos) e às nākṣatras, para um melhor entendimento.

    Hari Om

    Maria João Coelho

    Foto – Fonte: https://www.sitedecuriosidades.com/

  • ज्योतिष – JYOTIṢA- Principais Indicações Astrológicas – Ano 2023

    Apesar do ano astrológico apenas iniciar quando o Sol dá entrada no rāśi (signo) de Mesha (Carneiro / Áries) no mês de Abril, é comum, no ocidente, considerar o início do ano civil como um momento importante de reflexão e de previsão acerca das promessas mais importantes para o ano que se inicia.

    Desta forma, a minha proposta neste texto, é colocar as principais orientações astrológicas para este ano de 2023, para que cada um possa refletir nas mesmas, tentando integrar todas essas energias na sua vida, quer externa como interna, de forma a navegar nas ondas do samsara de forma mais segura, firme e consciente, tomando as melhores decisões a todo o momento, sempre que possível.

    O ano de 2023 é um ano com uma energia muito forte. Uma energia dinâmica, rápida e intensa que poderá levar a mudanças muito significativas. No entanto, essas mudanças não serão efetuadas de forma tranquila e lenta, mas sim de forma mais impulsiva e talvez até abrupta. É, sem dúvida, um ano de grandes oportunidades para aqueles que estão dispostos a abrir mão do controlo e fluir com a vida, numa atitude de maior flexibilidade e desapego do que já não faz mais sentido permanecer nas suas vidas.

    Um ano que nos vai levar a quebrar padrões, se queremos aproveitar as novas oportunidades que a vida tem reservada para nós.

    Um ano que nos vai trazer desafios quer a nível material como a nível espiritual. O maior deles será tentar encontrar uma ponte segura entre os dois lados, o que apenas será possível se existir uma verdadeira conexão interna e uma vontade sincera no nosso crescimento.

     Se essa vontade estiver presente, assim como a nossa entrega, fé e confiança na consciência divina, então não haverá motivos para preocupação. Tudo ocorre dentro da ordem universal!

           Śani (Saturno) em Kumbha (Aquário)

    A entrada de Śani no signo de Aquário, a 17 de janeiro, é, sem dúvida, um dos assuntos mais relevantes. 

    Śani ficará neste signo até 29 de março de 2025. Neste signo, para além de ser um dos signos regidos por Śani, é o signo onde detém mais força.

    É um signo de ar e de modalidade fixa, muito associado ao coletivo, pelo que o tema social e mudanças na sociedade em geral, estarão em destaque durante este período.

    Antes de continuar, convido todos os que não tiveram ainda oportunidade de ler a newsletter na qual falo acerca de Saturno, para o fazerem, pois entender o que Saturno representa, é fundamental para perceber tudo aquilo pelo qual ele nos poderá fazer passar ao longo deste período. Saturno não é apenas o que restringe e pune, é também aquele com maior capacidade de nos ensinar e fazer crescer. Não da forma mais leve, isso é certo, mas da forma como precisamos e, claro, sempre de acordo com os nossos karmas.

    Importante verificar, em primeiro lugar, em que casa astrológica temos o signo de aquário no nosso mapa e quais os grahas (planetas) ali presentes assim como as casas e os planetas situados nos signos de Áries (carneiro), Leão e Escorpião, pois serão ativados também pelo olhar de Śani.

    Como graha maléfico, Śani atua predominantemente de forma mais severa, podendo levar a perdas e prejuízos, desonras, infortúnios, medos e inseguranças, desentendimentos, mas, atuando de forma mais benéfica, pode levar a progresso material, vitórias, capacidade de trabalho e foco, persistência, honras.

    Tudo irá depender do mapa de cada um, dos karmas individuais espelhados nas diferentes configurações presentes no mapa natal. Desta forma, os resultados poderão variar muito consoante a pessoa em questão.

    No entanto, e de forma mais generalizada, coloco abaixo os possíveis principais resultados para este trânsito de Śani em Aquário, pelas casas, tendo em conta o lagna (ascendente):

    Lagna/Ascendente

    Mesha (Carneiro / Áries)

    Śani estará na casa 11 a partir do lagna, é o regente da casa 10 na casa 11 e aspecta (olha), com maior força, as casas 1, 5 e 8.

    O trabalho árduo poderá vir a ser recompensado, com progresso económico e material. Importante não deixar para depois o que há para fazer. Não perder tempo e trabalhar com dedicação, para colher esses frutos.

    Poderão existir algumas dificuldades para a mãe e para os amigos. É um excelente momento para refletir acerca das verdadeiras amizades.

    Vrshabha (Touro)

    Śani estará na casa 10 a partir do lagna, é o regente da casa 9 na casa 10 e aspecta (olha), com maior força, as casas 12, 4 e 7.

    Posicionamento muito favorável para progresso na carreira, honras, prosperidade. Possibilidade de mudanças a nível profissional e a nível de residência.

    É tempo para investir na profissão e ter em atenção os possíveis conflitos a nível relacional.

     Mithuna (Gémeos)

    Śani estará na casa 9 a partir do lagna, é o regente da casa 8 na casa 9 e aspecta (olha), com maior força, as casas 11, 3 e 6.

    É o final da passagem de Śani pela casa 8 nos últimos 2,5 anos o que pode ter trazido alguns infortúnios. Não ficar preso ao passado, mas, apesar disso, é importante evitar o excesso de otimismo.

    Possibilidade de viagens e deslocações, tendência para problemas de saúde, problemas com inimigos. Conselho: dedicação a causas sociais.

    Karka (Caranguejo /Câncer)

    Śani estará na casa 8 a partir do lagna, é o regente da casa 7 na casa 8 e aspecta (olha), com maior força, as casas 10, 2 e 5.

    É o início do período da passagem de Śani pela casa 8, o que pode representar um período desafiante. Perdas, doenças e sofrimentos, mudanças no trabalho, incapacidade de levar projetos para a frente, são alguns dos possíveis resultados. É muito importante fortalecer a mente e o corpo. Poderão existir ganhos materiais provenientes de heranças e recursos de outros.

    Simha (Leão)

    Śani estará na casa 7 a partir do lagna, é o regente da casa 6 na casa 7 e aspecta (olha), com maior força, as casas 9, 1 e 4.

    O tema afetivo estará em destaque. Ter em atenção os relacionamentos (afetivos e parcerias profissionais), os quais poderão passar por uma fase mais delicada. Possibilidade de problemas de saúde. Necessidade de observar os desejos com cuidado e tomar decisões acertadas e objetivas.

    Kanya (Virgem)

    Śani estará na casa 6 a partir do lagna, é o regente da casa 5 na casa 6 e aspecta (olha), com maior força, as casas 8, 12 e 3.

    Possibilidade de prosperidade, vitória sobre os inimigos e boa saúde. Importante cuidar do corpo, instaurar bons hábitos, focar em pensamentos positivos, escutar os outros e não cair em comportamentos de procrastinação.

    Tula (Balança / Libra)

    Śani estará na casa 5 a partir do lagna, é o regente da casa 4 na casa 5 e aspecta (olha), com maior força, as casas 7, 11 e 2.

    O principal foco estará no tema dos filhos (poderá haver algumas questões mais difíceis de lidar). Possibilidade de mudanças na carreira, estabilidade financeira (evitar empréstimos e dívidas). Maior interesse pelos estudos.

    Vrishkha (Escorpião)

    Śani estará na casa 4 a partir do lagna, é o regente da casa 3 na casa 4 e aspecta (olha), com maior força, as casas 6, 10 e 1.

    Aqui, o principal objetivo de Śani é fazer com que a pessoa saia da sua zona de conforto. Aprender a deixar fluir e usufruir de novas experiências. Poderão existir mudanças/problemas familiares e relacionados com habitação, imóveis. Possibilidade de deslocações e mudanças de residência.

    Dhanus (Sagitário)

    Śani estará na casa 3 a partir do lagna, é o regente da casa 2 na casa 3 e aspecta (olha), com maior força, as casas 5, 9 e 12.

    Boas perspetivas: vitórias, felicidade, honras, aquisições, coragem capacidade de iniciativa, libertação de medos. Cuidado com as promessas irrealistas.

     É o fim do Sade Sati para os que possuem a Lua (Chandra) neste signo – período difícil de 7,5 anos no qual Śani transita pelo signo da lua, pelo signo anterior (casa 12 a partir da lua) e pelo signo seguinte (casa 2 a partir da lua).

    Possíveis problemas relacionados com o pai e irmãos.

    Makara (Capricórnio)

    Śani estará na casa 2 a partir do lagna, é o regente da casa 1 na casa 2 e aspecta (olha), com maior força, as casas 4, 8 e 11.

    Última fase do Sade Sati (últimos 2,5 anos) para os que possuem a Lua (Chandra) neste signo – período difícil de 7,5 anos no qual Śani transita pelo signo da lua, pelo signo anterior (casa 12 a partir da lua) e pelo signo seguinte (casa 2 a partir da lua).

    Infortúnios, problemas com familiares e financeiros, deslocações e mudanças de residência. Necessidade de ter em atenção a forma de comunicação. Bom momento para tratar do corpo, para dietas.

    Kumbha (Aquário)

    Śani estará na casa 1 a partir do lagna, é o regente da casa 12 na casa 1 e aspecta (olha), com maior força, as casas 3, 7 e 10.

    Auge do Sade Sati (últimos 2,5 anos) para os que possuem a Lua (Chandra) neste signo – período difícil de 7,5 anos no qual Śani transita pelo signo da lua, pelo signo anterior (casa 12 a partir da lua) e pelo signo seguinte (casa 2 a partir da lua).

    Possibilidade de dificuldades nos relacionamentos, problemas de saúde (necessidade de prestar muita atenção à saúde). Probabilidade de conquistas e honras. Possibilidade de deslocações e mudança de residência. Necessidade de maior conexão interna e capacidade de desapego dos resultados.

    Mina (Peixes)

    Śani estará na casa 12 a partir do lagna, é o regente da casa 11 na casa 12 e aspecta (olha), com maior força, as casas 2, 6 e 9.

    Início do Sade Sati (últimos 2,5 anos) para os que possuem a Lua (Chandra) neste signo – período difícil de 7,5 anos no qual Śani transita pelo signo da lua, pelo signo anterior (casa 12 a partir da lua) e pelo signo seguinte (casa 2 a partir da lua).

    Possibilidade de aumento dos gastos, despesas, prejuízos, tristezas, isolamento, mudanças de residência e deslocações. Aprender a diminuir as expectativas e fluir com a vida.

    Guru (Júpiter) em Mesha (Carneiro / Áries)

    Guru entrará no signo de Mesha (Áries/Carneiro) em 21 de abril. Guru sairá de Peixes, signo que rege e ficará em Áries por cerca de um ano, disposto por Maṅgala (Marte), regente deste signo.

    Sendo Áries um signo de fogo e cardinal, ou seja, com uma energia de impulso, iniciativa e ígnea, podemos verificar que a passagem de Guru por este signo não passará despercebida.

    Os aspectos materiais da vida poderão vir a estar em destaque, trazendo conquistas e ganhos e persecução de objetivos mais práticos e lógicos. Como significador máximo do conhecimento e da espiritualidade, Guru, no signo de Áries poderá trazer muita vontade de enveredar por estudos e práticas espirituais, com grande energia, com muito fogo, mas com risco de pouco aprofundamento. A conjunção que acontecerá em abril entre Guru e Rāhu, um dos nodos lunares, contribuirá eventualmente ainda mais por uma busca repentina e obsessiva, mas com alguma falta de discernimento e ilusão.

    De qualquer forma, tudo aquilo em que Guru toca, tem tendência para expandir e ser abençoado. É esperada uma energia bastante ativa no que toca a todos os assuntos significados por Guru, assim como o que ele representa no nosso mapa natal e a casa onde está situado no nosso mapa natal.

    A casa no nosso mapa por onde transitará Guru, em Áries, terá tendência a ser expandida e beneficiada. Se durante este trânsito Guru tocar em grahas maléficos, tenderá a suavizá-los e se tocar em grahas benéficos, trará boa fortuna, mas possivelmente alguma indulgência.

    Guru aspecta com a máxima força as casas 7, 5 e 9 a partir da sua posição, logo, em Áries, poderá ter um impacto maior nas casas onde temos os signos de Libra (Balança), Leão e Sagitário.

    O impacto mais ou menos positivo dependerá muito da força do Guru no nosso mapa e das configurações restantes. Mais uma vez, aconselho a leitura da newsletter que foca o tema de Guru, para melhor entendimento.

    Eclipses 2023

    Nota: Para melhor entendimento do fenómeno dos eclipses, aconselho a leitura das newsletters referentes aos nodos lunares: Rāhu e Ketu.

    Os nodos lunares andam sempre em sentido retrógrado e demoram cerca de 19 meses em cada signo. Rāhu e Ketu, os Chāyā grahas (planetas sombra) correspondem aos pontos do eclipse.

    Desde 2022 que o eixo no qual os eclipses têm ocorrido corresponde ao eixo. Áries – Libra e assim continuará durante todo o ano de 2023.

     A nível pessoal, este eixo está relacionado a questões envolvendo o eu e o outro, o desejo de se afirmar, ter iniciativas e agir conforme a própria individualidade versus a manutenção de relações e acordos. 

    Este eixo vai continuar a despertar questões como o quanto cada um consegue manter a sua individualidade e independência (Áries) versus a sua participação em parcerias, relações e a sua habilidade de interação (Libra).

    Os eclipses ocorrerão nas seguintes datas:

    20 abril – eclipse solar (total) em Áries

    Será visível na Austrália Ocidental, Timor-Leste, Indonésia, Sudeste Asiático e Nova Zelândia.

    5 de maio – eclipse lunar (penumbral) em Libra

    Será visível na Europa, Ásia, Austrália e África.

    14 de outubro – eclipse solar (anelar) em Libra

    Será visível na América do Sul (exceto sul do Chile e da Argentina), América do Norte (exceto Groenlândia) e América Central. 

    28 de outubro – eclipse lunar (parcial) em Áries

    Será visível na Europa, Ásia e África, extremo leste da América e parte da Austrália. No Brasil, parte da Região centro-Norte poderá contemplar o fenômeno.

    Quanto mais visível o eclipse na região onde nos encontramos, maior os seus efeitos.

    Os eclipses afetarão em particular quem tiver grahas no eixo áries – libra ou quando esse eixo corresponde a áreas importantes do mapa. De qualquer forma, as casas onde ocorrem os eclipses terão os seus temas afetados por estas energias.

    Os efeitos dos eclipses podem ocorrer até cerca de seis meses após a sua ocorrência, sendo responsáveis, muitas vezes, por mudanças abruptas na vida da pessoa, correspondendo a finais ou inícios de novos ciclos. São períodos que fogem por completo ao nosso controlo e quando decisões são tomadas, mudam, por completo, a nossa vida.

    Como o eixo é o mesmo de 2022, é natural que os temas em foco permaneçam os mesmos, com variações dos seus efeitos, mais ou menos positivas. Tudo irá sempre depender das configurações gerais do mapa de cada um.

    Estes eclipses ativarão também Guru e os temas e casa a ele associados, pois durante a sua passagem pelo signo de Áries, estará sujeito a uma influência maior destes eventos.

    Períodos de Retrogradação

    Os períodos de retrogradação são períodos para fazer pausas, de reflexão, de revisitar assuntos pendentes, períodos em que os assuntos significados pelo graha retrógrado, são convidados a serem revistos e ponderados.

    São vários os grahas que ficam retrógrados todos os anos e encontram, nesse período, possibilidade de estarem em destaque nas nossas mentes, nas nossas vidas.

    Listo aqui os períodos de retrogradação dos diferentes grahas neste ano de 2023:

    Śani – 17/06/23 a 4/11/23

    Guru – 5/09/23 a 31/12/23

    Maṅgala- esteve retrógrado desde final de outubro e ficou em movimento direto a 12 de janeiro. Nâo volta a retrogradar este ano.

    Śukra – 22/07/23 a 3/09/23

    Budha – Fica hoje, 18/01/23, em movimento direto

                   21/04/23 a 14/05/23

                   23/08/23 a 15/09/23

                   13/12/23 a 31/12/23

    Ciclos lunares

    É também muito importante estar atento aos ciclos lunares, observando os diferentes momentos da lua cheia e da lua nova, movimentos naturais aos quais também nós nos devemos adaptar e fluir com os mesmos.

    Porque há momentos de expansão, de dinamismo e de trabalho, mas também são necessários os momentos de pausa, descanso e interiorização, é fundamental que entendamos que, tal como a natureza, tudo é cíclico e devemos observar, aceitar e integrar esses mesmos ciclos nas nossas vidas.

    Na próxima edição da Mukti, elaborarei e anexarei um documento com todas as lunações do ano de 2023 com os seus posicionamentos por rāśi (signo) e por nakshatra (consultar este tema na newsletter do mês de dezembro).

    Hari Om

    Maria João Coelho

    Imagem – Fonte: https://marceladiomede.es/

  • ज्योतिष – JYOTIṢA- Nākṣatra

    O nakṣatras são vinte e sete asterismos que foram descritos na antiguidade, nos Vedas, tendo por base o ciclo sideral lunar de 27,321 dias. Na mitologia, os nakṣatras são considerados as noivas de Chandra, o deva que preside a Lua e que, por ser inquieto e lascivo, cada dia deita-se com uma das suas esposas, percorrendo, desta forma, os 27 nakṣatras ao longo de um mês.  De acordo com a astrologia, o zodíaco tem 360 graus, sendo que cada um dos nakṣatras ou constelações se estende por cerca de treze graus e vinte minutos., iniciando no grau zero do signo de Áries. Estes signos lunares ou mansões lunares constituem a referência mais antiga nos textos clássicos e são de crucial importância, possuindo um sistema de interpretação próprio e independente dos signos solares. Daqui se depreende a importância da análise efetuada a partir de Chandra (lua) e do signo que ela ocupa. No entanto, para certas análises, é igualmente importante verificar qual o nakṣatra do lagna (ascendente), do regente do ascendente e outros grahas.

    Ainda hoje são extremamente utilizados não só na análise das caraterísticas individuais de cada pessoa (como o seu temperamento e motivações) e na confirmação dos karmas desta vida, como também para eleger dias propícios para a realização de rituais (como casamentos) e início de atividades específicas e momentos mais auspiciosos para certas atividades (astrologia eletiva ou Muhūrta). São igualmente utilizados nas sinastrias (verificação de compatibilidade entre mapas), retificação de horário de nascimento e cálculo das daśās (períodos planetários).

    Na medida em que os 27 nakṣatras podem ser convenientemente divididos em três grupos de nove, e visto que 9 vezes 13 graus e 20 minutos equivale a 120 graus, o que equivale a três signos completos (4 vezes 30 graus), os primeiros nove nakṣatras, de Ashvini até Ashlesha, cobre as constelações de Áries até Câncer; o segundo grupo, de Magha até Jyeshtha, calha precisamente dentro das constelações de Leão até Escorpião, e o último grupo, de Mula até Revati, cai entre Sagitário e Peixes. Cada um destes grupos começa com um signo de fogo (Áries, Leão e Sagitário) e termina num signo de água (Câncer, Escorpião e Peixes).

    A interpretação dos nakṣatras é feita a partir de referências deixadas na literatura sagrada, ou seja, nos Vedas, Pūraṇas e Tantras. Nela encontramos histórias sobre os devas que foram relacionados a cada nakṣatra, o que nos auxilia no processo de compreensão deles. Outra referência importante em relação à interpretação dos nakṣatras são os atributos que foram listados nos clássicos de jyotiṣa, o que inclui classificação relativamente a varṇa, guṇa, natureza, tattva, Śakti, meta, atividade, qualidades, gaṇa, gênero, natureza, nāḍī, partes do corpo, etc., além de descrições dos autores clássicos a respeito dos resultados a serem esperados de Chandra em cada nakṣatra.

    Nas próximas edições, irei focar nestes aspetos mais específicos dos nakṣatras.

    Abaixo apresento a listagem dos nakṣatras, com a sua distribuição longitudinal ao longo dos rāśis (signos) e o deva/devī relacionado a cada um deles.

    Fonte tabela: https://sriganesa.blogspot.com/

    Hari Om

    Maria João Coelho

    Fonte foto https://atcaminhante.wordpress.com

  • ज्योतिष – JYOTIṢA- Períodos Planetários

    A mudança na vida é inevitável! Embora o mapa natal evidencie os karmas a frutificar nesta vida, eles irão manifestar-se em períodos específicos. A influência de cada graha (planeta) tornar-se á- mais proeminente em certos períodos da vida de uma pessoa. O Jyotish avalia e mostra tanto a permanência como a mudança na vida. Enquanto que uma avaliação mais estática revela todo o potencial do mapa, uma avaliação dinâmica mostra quando esse potencial se irá desenvolver.

    O Jyotish utiliza várias técnicas de previsão que auxiliarão o astrólogo na determinação dos períodos mais prováveis para a manifestação dos karmas de um indivíduo. Uma dessas técnicas tem o nome de daśā ou período planetário. É sobre ela que falaremos hoje.

    A palavra daśā significa estado ou condição de vida, indicando as condições das experiências na vida de um indivíduo e a cronologia das mesmas.

    Algumas das daśās mais utilizadas são a Kālacakra daśā, a Yogiṇī daśā, a Ashtottari daśā e a Vimshottari daśa.

    A daśā mais utilizada na Índia, pela sua precisão e simplicidade de cálculo é a Vimshottari daśa, também conhecida como Nakṣatra daśā ou Udu daśā.

    Vimshottari daśa

    Vimshottari daśa é igualmente conhecida como Nakṣatra daśā, pois o ponto inicial dos vários períodos planetários é a nakṣatra da lua, ou seja, a janma nakṣatra ou “estrela de nascimento” correspondente à posição da lua no mapa no momento do nascimento. Na próxima edição focarei no tema das nakṣatras. Cada nakṣatra tem um planeta regente e a cada um desses regentes é atribuído um período de regência entre 6 e 20 anos.

    Vimshottari significa literalmente 120, logo um ciclo inteiro que abarca todos os regentes, duraria cerca de 120 anos, embora seja muito difícil alguém viver todos os períodos planetários.

    O início dos períodos variará de indivíduo para indivíduo, de acordo com a sua janma nakṣatra, a partir da qual todo o cálculo é efetuado.

    Cada período pode ser dividido no período principal, denominado de mahādaśa e no período secundário (uma divisão do principal), denominado de bukti ou antardaśa. Existem outros subperíodos, subdivisões, mas nem sempre a sua precisão é 100% fiável, pois é necessária uma exatidão muito grande no horário de nascimento.

     Assim, teremos um regente principal e um co-regente. O planeta da mahādaśa, o regente principal, confere a tonalidade para aquele período específico e o regente da antardaśa, o co-regente, irá trazer nuances a esse período. Os efeitos dos grahas (planetas) no mapa natal, irão manifestar-se principalmente durante os seus períodos de ativação. Estes períodos, daśas, vão trazer à tona todos os significados desses planetas no mapa natal. A qualidade da manifestação irá depender da natureza funcional benéfica ou maléfica dos grahas envolvidos. As daśas mais favoráveis serão aquelas em que os planetas regentes têm qualidades, força e boas configurações no mapa natal, tal como foi pormenorizado para cada graha, nas edições anteriores. Caso contrário, os efeitos nesses períodos serão mais desfavoráveis.

    Normalmente são mais impactantes os períodos iniciais e finais de cada daśa e antardaśa, pois são considerados momentos de transição, logo mais delicados.

    A duração de cada ciclo de Mahādaśa de cada planeta é a seguinte:

    Chandra (Lua): 10 anos; Maṅgala (Marte): 7 anos; Rahu: 18 anos; Guru (Júpiter): 16 anos; Śani (Saturno): 19 anos; Budha (Mercúrio): 17 anos; Ketu: 7 anos; Śukra (Vénus): 20 anos; Sūrya (Sol): 6 anos.

    Relembro que todos os indivíduos iniciam as suas vidas em períodos distintos (conforme referido anteriormente) e que não irão vivenciar todos os períodos.

    Uma boa análise do mapa será muito importante para entender os desafios, obstáculos e oportunidades que cada período trará para a vida de um indivíduo. Esta análise está sempre afeta ao mapa natal, pois é com base nele que podemos averiguar da qualidade de manifestação de cada graha.

    No fim, está sempre tudo no tempo e lugar certos, para que cada indivíduo possa experienciar tudo aquilo que faz parte do seu caminho! O autoconhecimento é, sem dúvida, a pérola que, residindo dentro de cada um, contribuirá para uma viagem da vida mais consciente e plena, mais feliz!

    Hari Om

    Maria João Coelho

    Imagem – fonte: https://www.ayurvedicayoga.com/

    Contactos:

    saraswativalongo@gmail.com

    https://instagram.com/mariajoaooliveiracoelho?igshid=YmMyMTA2M2Y=